domingo, 26 de março de 2017

Persuasão a Cada Três Dias - Por Luiz Domingues



Em linhas gerais, é notório que o mundo do futebol é simplório sob inúmeros aspectos. Apesar dessas particularidades que destoam de aspectos culturais mais avantajados, isso nunca incomodou-me sobremaneira ao ponto de rechaçá-lo por completo, e sei que muitos amigos pensam igual. Convive-se com o caráter prosaico que envolve-o indelevelmente e no meu caso e de muitos amigos que também acompanham-no sem crises de identidade, apesar dos pesares, não sinto-me conspurcado por nenhum aspecto. Mas muita coisa que observo, e sei por conseguinte que trata-se de estrato de baixo nível educacional e / ou cultural inerente aos meandros desse esporte, são difíceis de serem absorvidos, mesmo tendo em conta a mentalidade predominante dentro desse universo.
Por exemplo, a questão da falta de motivação que quase todo jogador de futebol aparenta ter dentro da profissão e a que todo instante precisa ser exortado a ter. Ora, isso extrapola em muito a tolerância que se possa ter pelo fato de que 99,9 % dos jogadores ter origem sociocultural e financeira de baixíssimo nível. Mesmo diante desse quadro de realidade triste, mesmo considerando-se o analfabetismo emocional, funcional e literal da imensa maioria, como espectador do esporte, é duro verificar que os dirigentes e notadamente os membros da comissão técnica de cada clube e que lidam com eles no cotidiano, sejam obrigados a fazer um trabalho de convencimento a cada jogo (invariavelmente, falo de quarta e domingo em via de regra), para que seus comandados “entendam”  que precisam entrar no campo com o objetivo de ganhar o próximo jogo...
Vejo com perplexidade o discurso de certos treinadores, fazendo dinâmica de grupo para fazer seus comandados entender a mais óbvia questão do objetivo a ser alcançado, como se fosse uma completa “novidade”, de jogo para jogo e assim, o significado de uma continuidade de resultados como meta, fosse incompreensível para a maioria, ou seja, o significado prático oriundo da necessidade premente de ganhar-se todos os jogos para vencer um campeonato.
Tirante a questão da astúcia inerente da parte de alguns, visto que o “incentivo” imoral do chamado “bicho” (gratificações monetárias ofertadas pelos clubes para cada jogo, fora do salário oficial), ser algo manipulável ao extremo pelos inescrupulosos de plantão, fico a imaginar a bizarra cena de um gerente de banco a cada segunda-feira reunindo os funcionários da agência bancária para “explicar” aos seus funcionários que na nova semana que inicia-se, faz-se necessário que todos empenhem-se para cumprir com a máxima eficiência a sua função, como se isso fosse alguma novidade para qualquer bancário. O mesmo raciocínio serve para qualquer classe trabalhadora, do padeiro ao farmacêutico; do motorista do ônibus ao balconista da loja de sapatos e assim por diante. 
Portanto, é bizarro que no futebol isso exista e seja tratado como algo rotineiro, ou seja, ter que explicar após o jogo do domingo que eles, os jogadores, precisam “focar” no jogo da próxima quarta, ainda mais levando-se em conta os jogadores mais badalados que jogam em grandes clubes da série A, ganhando salários estratosféricos, que chegam a ter o valor de mais de cem vezes o salário de um super executivo de empresa multinacional do mundo corporativo etc etc. Ou seja, o mínimo que deveriam saber é que sua obrigação é dar o seu máximo em campo, buscando sempre a vitória em todo jogo, e se perder a partida, que seja pela supremacia técnica do adversário que pensa e luta pelo mesmo objetivo em tese, e jamais por falta de “compreensão” da dinâmica de sua profissão e assim sendo, que precisa ser “convencido” disso a cada três dias, só puxando a carroça mediante a aparição de uma cenoura diante de sua vista...  

2 comentários:

  1. Querido Luiz, embora seja mesmo tragicômica, essa situação tem recebido realmente cuidados de especialistas, não só no futebol, como no mundo corporativo também, tal o nível de desconhecimento e até mesmo stress que culminam em todos os campos profissionais...chegamos ao ponto de termos um aparato tecnológico extremo, mas o fator HUMANO está extremamente desgastado...no caso do futebol bem...a foto é tremendamente ilustrativa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Christine !

      Sei que você quis abrir o leque dessa consideração no afã de abranger outras áreas e sei que tem razão na sua explanação, mas a minha intenção era fechar no mundo do futebol, exatamente para exacerbar a disparidade desse estado de coisas, visto ser nesse universo que existe um dos maiores abismos em termos de falta de profissionalismo básico x salários estratosféricos, portanto, digno de estupefação. Mas claro que sua colocação procede e foi super válida, fazendo-me concordar com ela. E sobre a foto, não tive dúvida em usá-la a denotar bem o quadro que pintei no texto...

      Grato pela participação sempre bem vinda !

      Excluir