quinta-feira, 27 de julho de 2017

Blind Horse / Patagonia - Por Luiz Domingues



Nos tempos atuais em que vivemos, onde a qualidade musical passa ao largo da difusão cultural mainstream, artistas genuínos que prontificam-se a trabalhar mesmo sob condições inóspitas no que tange às oportunidades democráticas (digamos assim), merecem aplausos dobrados. Como se não bastasse a sua arte autêntica, feita com labuta e honestidade (longe dos esquemas arquitetados pelos marqueteiros e seus famigerados lacaios, os “formadores de opinião”), ainda ter que lutar contra uma máquina poderosa atrapalhando-os acintosamente, é mesmo uma luta inglória.

E se está ruim para artistas que militam na música em geral, o que dizer então dos Rockers que são marginalizados por natureza e mesmo quando num breve período da história da música no Brasil, refiro-me aos anos oitenta, o Rock teve uma certa notoriedade na difusão oficial, vamos ser francos, quem beneficiou-se na verdade fora um seleto grupinho de artistas escolhidos pelos marqueteiros de então, e na verdade rezando pela cartilha do Pós Punk em voga, portanto, “Rock” verdadeiramente não era...

Diante de tal panorama, quando vejo artistas lutando bravamente, lançando álbuns e tocando ao vivo da melhor maneira possível, visto que as oportunidades são muitas escassas também no campo das apresentações ao vivo, claro que animo-me e sinto esperança por dias melhores. Ao final de 2015, publiquei em meu Blog 2 uma entrevista com a super promissora banda carioca, “Blind Horse”, repercutindo o lançamento de seu primeiro EP “In the Arms of Road”. Leia ou releia essa entrevista : 

http://blogdoluizdomingues2.blogspot.com.br/search?q=Blind+Horse  

Foto promocional do Blind Horse por ocasião do lançamento de seu excelente LP, "Patagonia"

Recentemente, 2017, os rapazes lançaram seu segundo álbum, denominado “Patagonia” e demonstram o mesmo caldeirão de influências ótimas já mostradas no EP anterior e sim, revelam ainda maior consistência e amadurecimento do trabalho, embora o tempo transcorrido entre uma obra e a outra, seja relativamente curto. Com capa muito bonita e um trabalho de estúdio muito bom, salvaguardando a qualidade do áudio. A maioria das canções é cantada em idiomas estrangeiros (inglês em predominância e uma em castellaño), e apenas uma em português. Naturalmente que os rapazes apostam suas chances maiores no mercado internacional e relembrando tudo o que eu disse nos primeiros parágrafos, realmente não dá para criticá-los por isso. Se o mundo está maltratando a música neste século XXI em curso, imagine no Brasil onde todos os esforços são feitos para valorizar a subcultura e pior ainda, a anticultura de massa...

Portanto, fazer Rock com esse padrão de qualidade e comprometimento com assumidas influências tão boas do passado glorioso do gênero, já faz da obra e da banda, vitoriosas. Mas o disco vai muito além da hombridade artística e realmente destaca-se pela qualidade. Trata-se de seis faixas, o que em princípio caracterizaria um EP com duração mais curta, mas como não existe linearidade na metragem das canções, o disco tem duração longa, no padrão dos velhos LP’s. Sobre as faixas, muitos são seus atrativos.


“Patagonia”



Eis o Link para escutar no You Tube

https://www.youtube.com/watch?v=Is7DxWCSLy0


Na faixa de abertura, por exemplo, “Patagonia”, canção título do álbum, observa-se uma densidade sonora muito grande. Canção com quase 16 minutos de duração, mostra-se pesada, com troca de ritmos em seu decorrer, apresentando desdobradas, inclusive. Sua linha melódica primordial lembrou-me o estilo do Ronnie James Dio, com uma carga interpretativa dramática. E muitos solos inspirados de guitarra, além de um solo de sintetizador Mini Moog com timbre ultra setentista e remetendo aos melhores discos da carreira solo do tecladista britânico, Rick Wakeman (referindo-me aos seus álbuns onde foi menos sinfônico e mais Prog Rock tradicional, tais como “The Six Wives of Henry VIII”; “No Earthly Connection” e “Criminal Record”, por exemplo). Há de destacar-se igualmente a presença de um órgão Hammond com uso de Caixa Leslie rápida, muito bacana. Partes distintas propondo mudanças bruscas ficaram muito interessantes, inclusive com o uso de looping contínuo em alguns trechos, um recurso bem setentista e claro, muito salutar. Sobre influências, é o tal negócio, minha orientação pessoal é totalmente 1960 / 1970, portanto eu tendo a ouvir música fazendo associações com múltiplos artistas que conheço e aprecio, cuja época de atuação centrou-se nessas duas décadas citadas. Sei de antemão que a base primordial dos componentes do Blind Horse também é essa, mas existe igualmente conexão com sonoridades mais contemporâneas da parte deles e das quais eu nem consigo detectar, mas deduzo que existam. Por exemplo, nessa faixa, ouvindo suas múltiplas passagens, além do Ronnie James Dio já citado (e acredite, Dio para o meu conceito é “modernoso” e sua verve metálica, incomoda-me...), pensei em bandas de searas diferentes, como : “Camel”; “Beggar’s Opera”; “Caravan” e até o “Curved Air”. Em partes mais lentas, a lembrança do “Nektar” também ocorreu-me, mas como já disse, sei que os rapazes também tem suas influências modernas, portanto, não descarto que suas inspirações versem nesses termos. Ao final, uma improvável incursão ao Funk-Rock levou-me direto à lembrança da “James Gang”, com o grande Joe Walsh swingando para valer na sua guitarra.


“Stun Bomb Blues”


Eis o Link para escutar no You Tube:



Na faixa seguinte, é inevitável haver uma constatação em relação à primeira. Após uma faixa longa, com densidade e intensidade , temos em “Stun Bomb Blues”, uma antítese. Trata-se de uma faixa curta, uma vinheta praticamente, e mais inusitado ainda, uma performance solo do vocalista, “a cappela”, com a voz bem processada no áudio. E mostrando força interpretativa, parecendo quase um monólogo de ator dramático. Muito interessante.


“Rock’n Roll Me”



Eis o Link para escutar no You Tube :



Chega a terceira faixa, “Rock’n Roll Me”, com uma dose setentista fortíssima. Lembrou-me o som vigoroso do "Thin Lizzy", misturando influências diferentes e até díspares, tais como o “Cactus”, principalmente em se considerando a linha melódica primordial da canção. Uma parte com acentos fortes chamou-me a atenção, por um detalhe que tende a passar despercebido, mas eu achei muito bonito. Ao acentuar junto, na campana do seu prato Ride, o baterista foi muito criativo e feliz pelo timbre extraído.


“Noite Estranha”



Eis o Link para escutar no You Tube :



A faixa seguinte, “Noite Estranha”, é a única cantada em português e começa de uma maneira bastante instigante, ao evocar o cinema nacional marginal, Rogério Sganzerla na veia, graças a uma locução extraída de seu filme, “O Bandido da Luz Vermelha”. Ouvir um diálogo de 1968, travado entre os personagens protagonizados pelos atores Helena Ignes e Paulo Villaça já chamaria a atenção por si só, mas o fato é que a música é muito boa, lembrando bastante o trabalho do "Deep Purple" em seus melhores dias, com riffs fortes, tendo a atuação da guitarra pontuando com notas isoladas e não necessariamente com acordes, uma marca registrada do Ritchie Blackmore, realçando a ideia do Purple como influência, e reforçando, o órgão Hammond atua bastante, igualmente e com Jon Lord no pedaço, o púrpura profundo acentuou-se.


“Soul Locomotive”



Eis o Link para escutar no You Tube :



A quinta faixa, chama-se “Soul Locomotive” e aí o blues chegou, que beleza...

Recentemente (2017), um guitarrista desses virtuoses do mundo do Heavy-Metal declarou que ao perder o elo com o Blues, o “Metal” degringolou. Eu já penso bem diferente e acho que o metal (com o perdão aos amantes desse gênero e dos quais tenho muitos amigos), pouco tem a ver com o Rock e na verdade, esse rompimento de elo já começou décadas atrás com ele mesmo e o Punk Rock. Mas a declaração desse músico norteamericano, tem um fundo de verdade, no sentido de que todo o sentido do Rock está no Blues e quanto mais distanciamo-nos de sua raiz, mais vamos maltratando o Rock ou arremedo de Rock, como temos visto nos dias atuais.

Mas o Blind Horse, valentemente encara essa missão e vai buscar ali no trilho do trem, nas estações ferroviárias cantadas em verso e prosa pelos velhos bluesman do passado, essa verdade, e claro que isso emociona. Não é exatamente uma pegada de blues clássico, os rapazes incorporam modernidades, mas em nada desabona o resultado final que é muito bom. De início, um riff pontuando uma escala que chega a lembrar melodias nipônicas, dá um toque inusitado, até. Mas isso é rápido e o que predomina é a intenção calcada no Blues-Rock. Uma desdobrada muito bonita, recordou-me o som do guitarrista Robin Trower em seus discos solo, com longas intervenções baseadas no "Slow Blues", porém com pegada "Hendrixiana". Gostei novamente das intervenções do órgão Hammond e a voz com efeito de eco distante. O uso de vibrato e outros efeitos em intervenções pontuais de guitarras sobrepostas, também agradou-me, certamente. Uma segunda desdobrada na música com um solo muito inspirado, lembrou-me a veia Bluesy do "Pink Floyd", quando a banda flutuava para David Gilmour fazer a sua Fender Stratocaster chorar, e o Blind Horse conseguiu tal resultado semelhante, não tenho dúvida.

E ao final, uma intervenção de áudio traz um cântico muito bonito, evocando o Blues remoto da raiz mais profunda, aquele autêntico coro dos escravos nos campos de algodão, transmutando sua dor e humilhação em arte in natura, e muito bela, apesar de melancólica.


“Los Heraldos Negros”



Eis o Link para escutar no You Tube :



Mais uma surpresa ao final, o disco encerra-se com outra faixa curta (“Los Heraldos Negros”), destoando das longas digressões das faixas de maior duração. É impossível não pensar-se no “The Doors” como inspiração, pois a banda faz uma base contínua, mezzo blues / mezzo psicodélica (o órgão com timbre de Farfisa ou Vox, traz o elemento psicodélico, sem dúvida), enquanto um poema declamado quase de forma monocórdica, é puro Jim Morrison. A letra em castellaño é oriunda de um poema de autoria de César Vallejo, autor peruano, sendo um dos mais importantes poetas latinoamericanos do século XX, e certamente que ao musicar tal poema com esse quilate, o Blind Horse lembrou-me a contundência de artistas da seara do “Folk Protest Song”, latinoamericano, como Mercedes Sosa e Violeta Parra. Tal poema é também título de um livro de César Vallejo, lançado em 1919, portanto, mais um ponto muito positivo do Blind Horse para esse disco, ao trazer uma obra poética da mais alta relevância. E tudo a ver com a expressão do sofrimento nos campos de algodão, não resta dúvida de que existe uma conexão sutil nesse texto do poeta peruano. Muito interessante trazer essa peça tão diferente do bojo do álbum, para justamente encerrá-lo, fugindo do esperado.

Sobre a performance individual dos componentes, só elogios. São músicos de alto gabarito, criativos e muito técnicos. Isso reflete-se também na produção do áudio do disco, privilegiando os timbres vintage, compatíveis e imprescindíveis eu diria, em se considerando as ótimas influências que eles carregam na sua formação pessoal.

Portanto, no cômputo geral, eis aí uma banda que confirma as ótimas expectativas geradas quando do lançamento de seu primeiro EP e indo além, avança, mostrando desenvolvimento nítido.


Gravado e lançado em 2017. Produzido por Sergio Filho no Mitinga Studio, na cidade de Barra de São João / RJ.


Formação do Blind Horse nesse álbum :
Alejandro Sainz : voz, violão e gaita
Rodrigo Blasquez: guitarra e backing vocals.
Eddie Asheton: baixo e backing vocals.
Maicon Martins: bateria


Músico convidado:  Ronaldo Rodrigues : teclados

Capa : criação e lay out final : Alejandro Sainz
Foto da capa: Eliseo Miciu


Uma versão do álbum na íntegra, não do canal oficial da banda, mas certamente com sua aprovação :


Eis o link para escutar no You Tube :




Contatos com a banda :


Site oficial :



Página do Facebook :



Canal do You Tube :



Bandcamp :
https://blindhorse70.bandcamp.com/album/patagonia

4 comentários:

  1. Amigo, que resenha perfeita e que banda maravilhosa. Já a conhecia desde seu outro texto sobre eles. A gente vai lendo, vai ouvindo o som e a mágica acontece, os sentidos despertam e o deleite é inevitável. Parabéns Luiz e Blind Horse!!!

    ResponderExcluir
  2. Sensacional, Jani !

    Como fico contente em saber que a minha percepção desperta o interesse das pessoas em torno de um artista que recomendo. É a melhor das sensações de dever cumprido.

    Beijo, amiga !!

    ResponderExcluir
  3. Eu sou amante da banda, e vou conhecendo cada vez mais musicalmente e em suas informações históricas, discografias e tudo mais, graças a você Luiz Domingues e por aí vai.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Consuelo!

    Fico muito contente por saber que já acompanha e aprecia o trabalho do Blind Horse e mais ainda por mencionar também o meu Blog com tanta ênfase. O Blog é seu, visite-o sempre !

    Grande abraço !!

    ResponderExcluir