sábado, 28 de dezembro de 2013

Roger Dean e sua Pintura Intergalática - Por Luiz Domingues


No mundo da música em geral, após o advento do CD e inevitável derrocada dos velhos vinis, um conceito tornou-se uma máxima : tudo bem, a tecnologia de áudio avançou, mas a redução das capas para o padrão do compact disc, destruiu um ícone visual e gráfico que era inerente aos velhos LP's.

Fato consumado, esse chavão foi ouvido com frequência entre os consumidores de discos no pós-1983, quando parecia que o vinil estava condenado à extinção sumária.

Abnegados colecionadores deram de ombros, todavia, e continuaram colecionando vinis, sem importar-se com o modismo da modernidade tecnológica.

Nos tempos modernos, os vinis voltaram a ser produzidos, e pick-ups vendem como água nas lojas, inclusive as populares de eletrodomésticos, e o CD é que parece estar condenado ao limbo, atualmente, o que é irônico e prova cabal de que as pessoas agem por impulso e sob as ondas de modismos virais, criados pelos famigerados "formadores de opinião"...

Falando especificamente das capas, no início, eram simples, limitando-se a descrever o nome dos artistas e das canções, e com o tempo, foram sofisticando-se.


Passando dessa fase inicial, ideias mais criativas começaram a ser empregadas, fugindo da simplicidade burocrática de apresentar uma foto promocional do artista, ou de uma paisagem bucólica qualquer.

Capas de extrema originalidade marcaram tanto, que a valorização da obra musical com tal advento foi inevitável e sua repercussão animou artistas, produtores fonográficos, e todos os envolvidos nessa cadeia comercial, abrindo caminho para que essa prática se difundisse de forma irreversível.

Enfim, isso é assunto para outra matéria, pois aqui o preâmbulo serve para marcar a ideia de que as capas de discos dos vinis, marcaram época por vários aspectos.


E se o assunto é capa de disco, logo nos vem a cabeça a produtora Hypignosis, responsável por capas geniais do Pink Floyd, e Roger Dean, um artista plástico e designer, cujo curriculum para a história do Rock, é gigantesco.

Nascido em Ashford, Kent, Inglaterra em 1944, Roger formou-se na Canterbury College of Art em 1968, e posteriormente fez mestrado no Royal College of Art, de Londres.

Envolvido com diversos músicos da cena londrina, fez sua primeira capa para o "The Gun", uma interessante banda, mas não muito difundida na época.

Mas sua ilustração chamou a atenção e outros convites choveram em seu atelier.

De 1968 até 1980, inúmeras capas de bandas importantes do Rock britânico, tiveram sua prestigiada assinatura.


A lista é grande : "Nucleous"; "Lighthouse"; "Dr. Strangely Strange"; "Osibisa"; "Ramases"; "Clear Blue Sky"; "Keith Tippit Group"; "Budgie"; "Greenslade"; "Gentle Giant";"Babe Ruth"; "Atomic Rooster"; "Badger"; "Gravy Train"; "Uriah Heep"; além de artistas solo como Steve Howe; Alan White; Rick Wakeman, e da própria Orquestra Sinfônica de Londres.

Mas sem dúvida que a banda que mais se identificou com o trabalho de Dean e vice-versa, foi o "Yes".

A música sofisticada do quinteto britânico caiu como uma luva à ambientação intergalática com que Dean gostava de pintar.


Ao retratar planetas exóticos, habitados por alienígenas híbridos, Dean propunha com suas ilustrações, um verdadeiro mergulho na música cerebral da banda inglesa.

Que fã do Yes (incluso este que vos escreve), não passou o tempo de execução dos respectivos álbuns onde ele desenhou as capas, "viajando", literalmente, em suas ilustrações ?

A visão de Dean, sempre intercalando o fantástico mundo de civilizações alienígenas e tecnológicas, com elementos orgânicos, deixa nas entrelinhas, a questão ambientalista como mote.


O elemento onírico também é forte na obra de Roger Dean. O Rock progressivo do Yes, muitas vezes flertando em suas temáticas com aspectos esotéricos, transcendentais & afins, era perfeito para a criação do artista plástico.

Em "Tales From Topographic Oceans", por exemplo, a fantástica concepção de sua capa realçou a mensagem da banda, expressa em quatro canções, inspiradas no pensamento de Yogananda, um importante filósofo místico indiano.

Além de ilustrador de tantas capas, Dean é também um designer de interiores, além de criador de logotipos, não só no mundo artístico, mas no corporativo em geral.

Sua criação de uma poltrona chamada "ouriço-do-mar", abriu-lhe a oportunidade de chegar numa outra criação, chamada "Retreat Pod", que chegou a ser usada como objeto de cena no filme "A Clockwork Orange", de Stanley Kubrick.


Outra criação sua, e muito chamativa é a "Curvilinear House", um protótipo de habitação que muito se parece com as ilustrações que criou para as capas dos discos que assinou. Morar numa residência assim, seria como "entrar" dentro de suas famosas capas, literalmente.


Alguns shows do Yes tiveram sua cenografia toda desenhada por Dean, em pessoa, recriando a atmosfera das capas, também.

A partir da metade dos anos oitenta, Dean foi requisitado para um outro mundo novo que surgia e rapidamente se alastrou : o dos video-games.


Desde então, são inúmeros os jogos com sua assinatura na concepção  artística. 

Ainda produziu algumas capas para o Yes; Uriah Heep, e discos solo de ex-membros do Yes, inclusive nos dias atuais, mas absteve-se de trabalhar para outras bandas na mesma profusão com a qual trabalhou nos anos setenta.

Dean também lançou livros muito lindos com suas criações. "The Flights of Icarus"; "Views"; "Magnetic Storm"; "Dragon's Dream"; são obras que merecem fazer parte da biblioteca de quem aprecia arte; ilustrações; lisergia; cultura Sci-Fi, ou apreciadores de Rock Progressivo, que associam tais imagens à musica.



Muitas de suas ilustrações também estão disponíveis no formato poster, com boa impressão gráfica e portanto dignas de serem enquadradas. Nos anos setenta, era comum rockers mais abonados terem o privilégio de ter uma reprodução de Dean em suas respectivas residências. Nesse caso, claro que as ilustrações de capas mais famosas do Yes, eram as mais solicitadas.

Quem tem familiaridade com o trabalho de Roger Dean, desde o fim dos anos sessenta, tomou um susto quando o filme "Avatar" foi lançado, pois todo aquele universo alienígena retratado, era "puro Roger Dean"...


Bem, não é à toa que James Cameron e toda a produção do filme estão respondendo à um processo movido pelo Roger Dean, pois de onde vieram as ideias para as criaturas, ambientações e civilização mostrados no filme ?

Roger Dean é um tremendo artista criativo e foi um dos que mais compreendeu o espírito do Rock setentista, expressando com imagens o caráter transcendental da música que tais artistas propunham.

Recomendo com muito entusiasmo a sua obra e deixo aqui o link de seu site oficial : 


http://www.rogerdean.com/


10 comentários:

  1. ...Bárbaro...pura fantasia em suas ilustrações...AMO TUDO feito por Roger Dean...principalmente do Yes...Rick Wakeman...

    Cida Costa Luz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bacana saber que gostou da matéria e sobretudo por ser fã das pinturas de Roger Dean, como eu sou, também.

      Obrigado por ler e comentar !!

      Excluir
  2. Demais... as ilustrações de Dean são pura viagem! Tenho o "Dragon's Dream" há muitos anos e até hoje gosto de folheá-lo, é muito louco! Belo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que curtiu, Carlinhos !

      Não há muito o que eu possa acrescentar que você não saiba sobre o Roger Dean, com sua experiência e cultura rocker avantajada.

      Só resta-me parabenizá-lo por ter um exemplar do "Dragon's Dream", um book luxuoso de ilustrações do grande mestre.

      Grato por ler e comentar !!

      Excluir
  3. Alucinante o trabalho do Roger Dean. Mente e concepções fantásticas!
    E o texto, como sempre irrepreensível, Luiz!
    Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tereza, é exatamente essa a expressão correta para designar o que representa Roger Dean : alucinante !

      Muito grato por ler, comentar e elogiar o texto !

      Abração !

      Excluir
  4. Pra mim ele é um importante ícone na semiótica. O trabalho é D+... bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bacana essa sua observação. Não havia notado por esse lado.

      Valeu por trazer essa visão, Lourdes !

      Beijo !

      Excluir
  5. a gente viaja sempre nas capas dos discos que ele fez as Artes.Parabens e obrigado por colocar tudo ai da forma copmo fez.Um belo Trabalho.Ate mais .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida !

      A palavra é essa mesma, "viagem", que Roger Dean nos permite realizar através de suas pinturas incríveis.

      Grato por ler e comentar !

      Excluir