sábado, 8 de agosto de 2015

Quando a Rainha andou pela Pauliceia - Por Luiz Domingues



Em março de 1969, estava programada para acontecer em São Paulo, uma grande Feira de produtos, os mais diversos, produzidos pela indústria britânica.


De máquina de fazer “chiclete”, a máquinas agrícolas, muitas novidades seriam mostradas e oferecidas aos empresários brasileiros, e entre elas, a principal seria o “Hovercraft”, um veículo que trazia um sistema de tração muito moderno para a época, com a promessa de rodar sobre qualquer tipo de piso, incluso os mais acidentados. 
Aconteceria (e de fato aconteceu), instalada no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, a Exposição da Indústria Britânica.


Diante dessa oportunidade, o Reino Unido enviou-nos para promover a Feira, sua garota propaganda mais significativa possível, superando inclusive ícones britânicos sessentistas em voga, tais como os Beatles; Rolling Stones, e James Bond...ou seja, a Rainha Elizabeth II, em pessoa.
Numa visita longa, a comitiva Real visitou várias cidades brasileiras, por mais de dez dias, com agenda cheia, e com direito até a cerimônia de inauguração histórica para a cidade de São Paulo.


Foi portanto em novembro de 1968, com alguns meses de antecedência da referida Feira, que a tour da realeza britânica passeou por algumas cidades brasileiras.


Nos registros jornalísticos de época, falou-se muito do assunto, naturalmente, incluso com a descrição de fatos curiosos de gafes cometidas e comentários de estupefação pelo fato da Rainha e o seu consorte, o Príncipe Phillip, Duque de Edimburgh, jamais perderem a compostura, mesmo quando expostos a situações embaraçosas, e principalmente em relação ao calor brasileiro sufocante, ainda mais para os europeus. Nada mais fleumaticamente britânico, portanto.


Em cidades como Recife e Salvador, naturalmente que a comitiva Real foi apresentada às belezas naturais, e marcas históricas, que são muitas nessas duas belas capitais.
Em Brasília, claro que o encontro com as autoridades federais, incluso discursos enfadonhos no Congresso, preencheram a agenda Real.


Conta-se que no cerimonial do jantar de Gala oferecido pelo então presidente, Costa e Silva, este cometeu uma gafe imperdoável, ao gaguejar na saudação oficial que deveria pronunciar em inglês, diretamente à Monarca britânica, quando teria dito : -“God...God the Queen”, omitindo o verbo “Save” que dava sentido à palavra de ordem.
No Rio de Janeiro, evidentemente que a Rainha foi levada aos inúmeros pontos turísticos da então capital da Guanabara, e foi muito marcante inclusive a sua presença na Tribuna de Honra do Maracanã, onde assistiu um amistoso protagonizado pelas seleções paulista e carioca, onde entregou uma taça simbólica ao vencedor, para marcar a efeméride. No caso, com a vitória dos Paulistas por 3 x 2, ninguém menos que o Rei Pelé foi receber a Taça na Tribuna, e claro, a imprensa esportiva explorou ao máximo a ocasião, criando a imagem e o bordão, de que “o Rei recebeu a taça da Rainha”.


No caso específico de São Paulo, além de um jantar no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual, recebida pelo então governador Abreu Sodré, teve também uma carreata pelas ruas do centro; além de uma visita ao Terraço Itália (onde se tem uma das mais espetaculares visões da “Selva de Pedra”paulistana), e mais uma cerimônia oficial no Monumento do Ipiranga, no Jardim do Museu homônimo, onde depositou flores em honra ao Imperador Pedro I.
A imprensa comentou demais essa parte da agenda, para enaltecer o fato de que o Brasil tivera um passado monarquista, tentando dar-lhe aura de similaridade com a condição do Reino Unido, numa indisfarçável demonstração de deslumbramento, a se lastimar, diga-se de passagem.


Mas sem dúvida alguma, o ponto alto da visita de Elizabeth II à São Paulo, foi a inauguração da nova sede do Masp, o Museu de Arte de São Paulo.
Por uma feliz coincidência, a nova sede do Masp, que demorara 12 longos anos para ser concluída, estava apta a abrir suas portas, no final de 1968.


Após anos funcionando nas instalações tímidas da Rua 7 de abril (próximo à Praça da República, no centro velho de São Paulo), finalmente o Masp abriria suas portas numa construção espetacular, em plena Avenida Paulista.
Numa arrojada construção criada pela arquiteta italiana, Lina Bo Bardi, e com um acervo impressionante de obras significativas, arregimentado ao longo de anos pelos esforços do empreendedor Assis Chateaubriand, não poderia ser mais midiático para a ocasião, ter uma personalidade de dimensão mundial, para “puxar a cordinha” e descerrar a cortina que ocultava a placa comemorativa oficial.


Foi no dia 8 de novembro de 1968, que tal acontecimento ocorreu.


Tenho uma singela história pessoal sobre essa efeméride.

Nesse ano de 1968, eu cursava as aulas da 1ª série do curso primário, numa escola estadual chamada “Grupo Escolar de Vila Olímpia”, colégio localizado no bairro homônimo, na zona sul de São Paulo.
Entre centenas de escolas existentes na cidade de São Paulo, a minha foi uma das pré-escolhidas para representar a criançada estudante da pauliceia, em algum ponto do trajeto oficial da Rainha Elizabeth II, pelas ruas.


O anúncio chegou com uma boa antecedência à diretoria e claro que gerou uma euforia, pois tratava-se de um contingente de crianças de 7 a 11 anos de idade (as turmas do “Ginásio”, entre 12 e 16, não participariam, e hoje eu entendo perfeitamente que a escolha pelas turmas menores era estratégica para efeito de controle disciplinar e euforia ingênua garantida).
A diretora promoveu um “treinamento” no pátio, onde instruções disciplinares foram passadas, e chegamos a receber bandeirinhas de plástico do Brasil, e do Reino Unido (a chamada “Union Jack”), que usaríamos etc etc.


Mas para a nossa frustração, nossa participação foi cancelada em cima da hora, apesar dos esforços das mamães em lavar e passar impecavelmente nossos uniformes, e dos papais que gastaram seu “muque”, engraxando nossos sapatinhos...


Em seu breve pronunciamento na cerimônia inaugural do Masp, a Rainha Elizabeth II disse:


-”É para mim, motivo de especial satisfação inaugurar este magnífico Museu de Arte. A sua beleza, simplicidade e a perícia com que foi construído tornam-no mais um impressionante exemplo do espírito de iniciativa dos paulistas. Sinto-me feliz também em pensar que ele abrigará uma coleção de quadros de um dos mais ativos e generosos embaixadores que jamais foram à corte de St. James : o Dr. Assis Chateuabriand. Lembro-me muito bem de seu  espírito atuante e personalidade, e todos sentimos, profundamente, que ele não esteja mais aqui conosco neste dia. Aos paulistas desejamos, meu marido e eu, felicidades e prosperidade. É com grande prazer que declaro inaugurado este Museu”.
De fato, o grande mentor do Masp, não viveu esse momento e foi por um triz. Chateaubriand faleceu em abril de 1968, portanto, nove meses antes dessa solenidade histórica.


E assim foi a passagem da Rainha Elizabeth II; do Príncipe Phillip; e comitiva Real britânica, pela cidade de São Paulo.
Eu não tive a chance de balançar bandeirinhas do Brasil e do Reino Unido em sua passagem pelas ruas, mas já vi de perto outras personalidades britânicas bacanas...


Ao invés da Rainha Elizabeth II, já vi o Paul McCartney; Mick Jagger; Ringo Starr; Elton John; David Bowie; Joe Cocker, Keith Richards; Jimmy Page, Eric Clapton; Robert Plant...serve ?


God Save the Queen, orra meu...
Matéria publicada inicialmente no Site / Blog Orra Meu, em 2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário