sábado, 22 de dezembro de 2012

Cantos da Estrada - Por Luiz Domingues


Há muito tempo atrás, o processo de surgimento de novos artistas no panorama cultural, tinha um curso natural.
 
Iniciava-se geralmente entre a infância e adolescência, quando a garotada começava a se interessar por arte de uma maneira em geral e no campo da música em específico, admirando artistas consagrados.

Tudo é lúdico e mágico nessa fase e o glamour de seu artista predileto proporcionava o surgimento de uma semente no seu âmago, que frutificava de tal maneira a ser quase uma epifania messiânica.
Bons tempos esses, onde o celeiro de novos artistas era sempre forjado pela safra boa e perpetuando-se, uma nova geração surgia sempre amparada e inspirada pela qualidade em relação aos artistas consagrados, em detrimento à uma outra concepção, onde artistas de plástico são criados como peças meramente descartáveis por produtores embotados, obcecados por dinheiro e nada mais.

O sonho de ser artista, acompanhou um grupo de adolescentes do bairro da Freguesia do Ó, tradicional bairro da zona norte de São Paulo, nos idos de 1981.
Ainda adeptos da velha fórmula, queriam tocar, compor e cantar como seus ídolos da música e nessa predisposição positiva, esmeravam-se em estudos & ensaios.

Sob o nome de "Leito de Pedra", esses rapazes imberbes começaram a sua luta com galhardia, garra e cabeças focadas no sonho.

Em sua primeira formação, seus componentes eram : João Carlos Ferraresso (guitarra e voz); Izal de Oliveira (baixo); Mario Moreno (guitarra); Marco Massarelli (bateria) e João Gilberto Bacchetti (voz).
O começo heroico dessa trajetória adolescente foi o comum de tantas outras bandas, ou seja, festivais colegiais; festas, feiras e eventos públicos no bairro e adjacências.

A primeira apresentação que guardam com orgulho na memória, foi na sede social da Igreja do Largo Nossa Senhora do Ó, a principal do bairro, onde tocaram um repertório básico de Beatles e sucessos do Rock brasileiro oitentista em voga, de artistas como Ira e Lulu Santos, por exemplo.

Um pouco além, uma mudança de formação, trouxe Milton Moreno substituindo Marco Massarelli na bateria; o vocalista João Gilberto Bacchetti deixa a banda e o irmão de João Carlos Ferraresso, Nelson Ferraresso, entra na banda, como tecladista e backing vocal.

Surgem as primeiras composições, onde a influência maior era o Rock dos anos setenta, em vertentes como o Progressivo e o Hard-Rock.
Bandas internacionais como Yes; Pink Floyd; Focus; Led Zeppelin; Grand Funk Railroad; Rolling Stones, e Deep Purple, entre outras, faziam a cabeça dos meninos, mas havia também a generosa parcela de influência do Rock brasileiro e da MPB, com artistas como 14-Bis; O Terço; Milton Nascimento e Lô Borges, frequentando a vitrola deles, o tempo todo.

Em 1984, mais maduros e compondo e tocando bem, mudam o nome da banda para "Sigma", que perdurou assim até o final das suas atividades, no início dos anos noventa.

Antenados, frequentavam o circuito de shows de São Paulo, sempre procurando a adequação ao mercado e buscando interação com a cena musical da época. Frequentavam os teatros alternativos (Lira Paulistana, o Teatro Mambembe, os teatros de bairro da prefeitura etc), o Centro Cultural São Paulo, danceterias que promoviam shows de rock aos borbotões etc.

Mas com o fim das atividades da banda, muitas músicas ficaram engavetadas por anos, pois o "Sigma" houvera sido um celeiro de músicos e compositores de talento, mas que dispersaram pelo mundo, tocando em outros projetos, atuando como side-man de artistas consagrados etc.


Foi quando os irmãos Ferraresso, João Carlos e Nelson, uniram forças e resolveram tirar do ostracismo essas canções esquecidas e em 2007, gravaram o CD "Cantos da Estrada".


A proposta era tocar esse projeto como uma banda, embora não tivesse sido possível reunir todos os membros originais.

O trabalho criado nos anos oitenta finalmente veio à tona, e com o acréscimo deles estarem absolutamente maduros, portanto, o fator experiência adquirida pela vivência na música nesses anos todos de hiato, foi benéfico para o trabalho.

Com um apuro incrível, gravaram suas canções com um belíssimo trabalho de arranjos, execução e escolha de timbres primorosa.

Claro, as composições, independentemente dessa roupagem enriquecida, tinham no seu bojo, muita qualidade.

Com todas as influências que acumularam durante toda a carreira, não poderia ser de outra forma, o trabalho contido no CD "Cantos da Estrada", é excepcional.

A começar pela canção homônima do título do álbum. "Cantos da Estrada" tem atmosfera progressiva, com teclados em profusão, muito bem executados, percussão criativa e um vocal que interpreta bem a bela melodia principal.
                           Ouça a canção "Cantos da Estrada"

"Nave Incandescente" tem ares de balada, com a inclusão de um interessante Riff de guitarra, com ares Hard-Rock e a voz lembra de certa forma o estilo de Cazuza, dos anos oitenta.

"Mundão", traz roupagem de Country-Rock, com execução perfeita.

"Isso Tudo Passa" lembra Cazuza novamente, na interpretação de João Carlos Ferraresso e com uma agradável intervenção dos teclados de Nelson Ferraresso, encerra-se em grande estilo.

"Girassol" tem um irresistível swing de MPB dançante, de acento soul. Tem muito balanço na linha de baixo e uma percussão muito bem tocada e colocada. Destaco o piano elétrico de Nelson Ferraresso, com nítida influência da MPB mineira de Lô Borges.

Em "Livre da Poeira", o violão bem brasileiro e muito bem tocado de João Carlos Ferraresso, impressiona.

"Livre da Poeira II", é um Blues rasgado, daqueles que só os bluesman sabem extrair das entranhas.

"Gelo Seco" é um bonito tema instrumental, onde os irmãos Ferraresso e seus convidados puderam criar uma atmosfera auspiciosa.

"Amor de Verdade" é uma canção de violão, onde João Carlos Ferraresso usou o recurso da declamação. Foi ousado, pois esse expediente é norteado pela linha tênue que separa a intensidade declamatória (onde se exige talento de ator para monólogos, por exemplo), e a pieguice, onde a maioria escorrega no tobogã da cafonice. João Carlos Ferraresso acertou e incluiu-se no primeiro rol que citei.

Nesse trabalho, além dos irmãos Ferraresso, participaram : Daniel "Lanchinho" Rodrigues (bateria); Aden Santos (baixo e guitarra); Marcel Rico (baixo) e Edu Gomes (guitarra).
Segundo Nelson Ferraresso (que aliás auxiliou-me com informações valiosas para que eu pudesse elaborar a matéria), há planos de dar seguimento ao trabalho e naturalmente um novo CD deve sair.

Torço muito por isso !!

Falando da minha relação com essa rapaziada, tive um contato inusitado com eles, inicialmente em 1986. Através de uma namorada que eu tinha nessa ocasião, fui assistir um ensaio do "Sigma", pois eles eram conhecidos dela do bairro da Freguesia do Ó, onde morava.


Mas perdi o contato e só na início dos anos noventa, fui estabelecer amizade com o baixista Izal de Oliveira, quando ele solidificou-se como um ótimo baixista na banda "Caça Níqueis", com bom trabalho na área do Blues-Rock, tendo lançado vários CD's, fazendo muitos shows etc.

E no ano de 2011, quando tornei-me integrante da banda de Kim Kehl & Os Kurandeiros, retomei o contato com Nelson Ferraresso, que é tecladista da banda.

Foi o meu amigo Kim Kehl, que mostrou-me o trabalho "Cantos da Estrada", do qual encantei-me.
Kim Kehl, sabedor do fato que escrevo matérias em Blogs, deu-me a ideia de falar sobre esse trabalho e diante desse incentivo, ponderei sobre dois aspectos :

1) É inacreditável que um trabalho dessa qualidade artística esteja despercebido perante mídia e grande público e ;

2) Eu escrevo normalmente sobre diversos assuntos e difícilmente falo sobre música, o que chega a ser insólito se considerarmos que talvez fosse o tema que mais esperariam que eu abordasse em minhas matérias. Portanto, acho que se for para falar de música, esse nicho me interessa muito, que é o de enfocar artistas de extrema qualidade, mas com pouca ou nenhuma visibilidade na mídia.

Sendo assim, aguardem mais matérias com esse teor, doravante, pois se por um lado vemos um panorama tétrico na música mainstream, por outro, existe uma gama de artistas de muita qualidade, sem chance alguma de mostrarem seus talentos, diante da massacrante opressão que forças ocultas exercem para dominar a difusão cultural de baixo nível, no Brasil.

Não vou ficar fazendo discurso inflamado ou cutucando máfias, mas usar meu humilde Blog para dar minha contribuição no sentido oposto, ou seja, mostrando artistas de verdade, com qualidade, coração e alma.

E os irmãos Ferraresso representam exatamente isso.

16 comentários:

  1. Respostas
    1. Excelente que tenha gostado, Juma !!

      Os irmãos Ferraresso desenvolvem um belo trabalho artístico.

      Obrigado por ler e comentar !!

      Excluir
  2. Bacana Luiz! Gostei da foto da Igreja do Largo Nossa Senhora do Ó, um local bem legal!
    Abx
    Dum

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que gostou, Dum !

      Sim, não poderia deixar de ilustrar a matéria sem uma foto do Largo Nossa Senhora do Ó, onde tudo começou para os irmãos Ferraresso.

      Obrigado por ler e comentar !!

      Excluir
  3. Luiz, agradeço imensamente pelas palavras e por abrir espaço em seu blog para mostrar o trabalho!
    Espero que os seguidores gostem!
    Um grande abraço e um 2013 de muitas realizações.
    Nelson B. Ferraresso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nelson :

      Que grande honra ter um comentário seu postado em meu Blog. Foi um prazer falar sobre o seu trabalho e de seu irmão, em "Cantos da Estrada".

      Os seguidores estão gostando, sim, com muitos views e comentários !

      Grande 2013 e que venha o segundo CD dos irmãos !!

      Abração !!

      Excluir
  4. Nossa, que lindo! Só o Luiz prá mostrar essas preciosidades prá gente... grande banda, grande Nelsinho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tata !

      Que legal contar com seu apoio e melhor ainda saber que gostou da matéria.

      Verdade, uma grande banda. Vivam os irmãos Ferraresso !!

      Obrigado pr ler e comentar !

      Excluir
  5. Luiz, chego a ficar emocionado com sua reportagem, ter o reconhecimento de músicos como você, o Kim, me deixa muito feliz e lisonjeado. Parabéns e muito obrigado. João Ferraresso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande João Ferraresso !

      Que honra ter um comentário seu postado aqui no meu Blog, somando ao do seu irmão, Nelson.

      Fico imensamente feliz por saber que apreciou a matéria !!

      O trabalho de vocês tem muita qualidade e precisa alcançar um público maior.

      Sinto-me gratificado por você e Nelson terem gostado !

      Que venha a continuidade do trabalho, com "Cantos da Estrada II" !!

      Excluir
  6. Ah, o bom e velho Leito de Pedra... Bela matéria, a história está toda aí. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo :

      Que legal que gostou da matéria. Verdade, tudo começou no "Leito de Pedra" para os irmãos Ferraresso !

      Obrigado por ler, comentar e elogiar !

      Excluir
  7. Ouvindo pela primeira vez "Cantos da Estrada" lembra muito cazuza bela reportagem Luiz abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico muito contente que minha matéria tenha lhe despertado o interesse por esse trabalho dos irmãos Ferraresso.

      De fato, trata-se de uma obra de muita qualidade artística e merece toda o nosso apoio.

      Estou feliz também pela sua visita ao meu Blog e postagem de comentário pertinente. Tenho outras matérias sobre artistas que não tem espaço na grande mídia. Muitos trabalhos bacanas como este do "Cantos da Estrada".

      Deixo o convite para procurá-los no arquivo do Blog. Ficarei honrado com sua visita.

      Grande abraço, Jurandir !

      Excluir
    2. Valeu ,com certeza vou ver outras matérias e estarei acompanhando o Blog. Forte abraço.

      Excluir
    3. Eu que lhe agradeço pela visita e gentileza em comentar. O Blog é seu, fique à vontade para examiná-lo, ficarei honrado com sua visita.

      Grande abraço, amigo !

      Excluir