quarta-feira, 4 de abril de 2018

CD 10 Anos ! - Medusa Trio - Por Luiz Domingues




Conheço o guitarrista, Milton Medusa, há alguns anos. Sei que é um estudioso, professor de uma das mais prestigiadas escolas de música de São Paulo e do Brasil e que costuma envolver-se em inúmeros projetos musicais, a passear por muitos estilos musicais variados e sob circunstâncias ecléticas, indo de trabalhos como “side man” de cantores, a bandas tributo a artistas internacionais, direção e produção musical para outros artistas e gravações. Porém, ante tanta versatilidade, é claro que dedica-se ao seu trabalho solo, igualmente e com afinco. Sua banda, o “Medusa Trio”, está na ativa há muitos anos e recentemente lançou um CD, denominado “10 Anos !”, justamente para celebrar a sua longevidade e não deixou por menos ao marcar a efeméride (iniciou atividades em 2007 e lançou esse trabalho ao final de 2017), sob altíssimo estilo.


Milton tem como base primordial de sua música, o Hard-Rock praticado na década de oitenta, predominantemente, mas é bem versado no Blues e mediante muito estudo, desenvolveu-se também no mundo do Jazz-Fusion, que tem suas vertentes em ramificações, variadas, mas a salientar a amálgama do virtuosismo instrumental, como modus operandi. Contudo, eclético por natureza, ele também aprecia a música brasileira de uma forma geral, o Hard-Rock e Progressive Rock dos anos setenta e claro, muita música instrumental, portanto, é por essa riqueza e bom gosto todo que o seu trabalho transita. 

Além de seus excelentes companheiros, Fernando Tavares (baixo) e Luis Pagoto (bateria), ambos igualmente instrumentistas de altíssimo padrão e professores famosos na mesma escola onde Milton leciona, o disco contou com muitos convidados ilustres nesse álbum, e dessa forma, enriqueceu-o sobremaneira. Entre tantas feras, o CD apresenta os guitarristas convidados, em participações super inspiradas : Robertinho do Recife (Metalmania; Fagner; Gal Costa); Sergio Hinds (O Terço), Mozart Mello (Terreno Baldio) e André Christovam (Fickle Pickle). O tecladista, Fernando Cardoso (Violeta de Outono), toca em várias faixas. Willie de Oliveira, ex-vocalista do Rádio Táxi, canta a única canção vocalizada e o excepcional guitarrista / tecladista, Daril Parisi (Platina), faz backing vocals nessa mesma faixa. O áudio do CD é de ótimo padrão, com mixagem caprichada a realçar muitas sutilezas nas sobreposições de guitarras, além de garantir não só à guitarra, mas também ao baixo e bateria, timbres muito bons, encorpados. Tem uma concepção mais anos oitenta, é bem verdade, com um certo excesso de reverber, mas esse também é um aspecto pop a ser observado, embora trate-se de um disco instrumental em 90% da obra, portanto, deduz-se que a banda não tenha tido tal preocupação comercial, mas a sonoridade foi questão de escolha pessoal. 

Capa discreta, mas bonita, traz a figura petrificada da medusa mitológica em pleno mar, com a água espumante do oceano a chocar-se com ela e na contracapa, segue o padrão com a continuidade dessa imagem. No encarte, apreciei a ficha técnica caprichada com muitas informações, inclusive breves comentários escritos pelo próprio, Milton, a respeito de cada faixa, sendo elucidativo e até poético em alguns momentos. Além de uma foto promocional da banda, posada, mas em postura de apresentação ao vivo, a empunhar instrumentos e sob uma bela paisagem do mar, visto que Milton é natural da cidade de Santos / SP, e toda a sua carreira foi construída primordialmente com tal bela cidade praiana a inspirá-lo. Falo a seguir, sobre as músicas dessa obra :


Sábado de Sol” é a primeira faixa do álbum e apresenta-se como um Blues clássico em sua estrutura harmônica e rítmica, a soar muito bem nas mãos de músicos virtuoses por natureza e preparo técnico, mas que tiveram o bom senso em estabelecer um arranjo comedido, sem extrapolar as tradições do gênero. Portanto, a tocar com extrema desenvoltura e bom gosto, mas ao mesmo tempo na observação das fronteiras tradicionais do Blues, o Medusa Trio faz aqui um Blues muito gostoso de ouvir-se e por quê não, até dançar, sem amarras ou constrangimentos, a estabelecer uma alegria natural, muito gostosa em saborear-se. Gostei dos solos mais ardidos e da base limpa de guitarra. 

Ondas Rolando no Mar”, vem a seguir. Aqui a aposta é no Pop oitentista com certa queda pelo Hard-Rock daquela década. Gostei muito da base feita sob belos arpejos, e também da linha de baixo na parte A, com efeito looping e apoio firme da bateria. Lembra bandas oitentistas que buscavam o Pop em essência e tinham influência Fusion, no estilo do “Toto” e demais contemporâneas.

Guitarras Brasileiras”, pelo seu título, já dá a ideia de que Milton faz uma linda homenagem a guitarristas brasileiros que tinham a forte influência da MPB sob múltiplas vertentes e também eram / são Rockers em essência, casos gritantes de Pepeu Gomes; Armandinho, Paulo Rafael e Robertinho de Recife, entre outros. Ou seja, grandes feras e Milton não se fez de rogado, pois sua atuação é espetacular nessa faixa, com balanço, solos e bases incríveis, incluso com a introdução de violões para dialogar com as guitarras. Gostei muito também de uma parte C, muito criativa. 

Anos Setenta”, é a quarta canção e nessa faixa, o Riff Hard-Rock, bem ao estilo dos anos setenta dá início aos trabalhos, mas é nítido que há uma boa influência do Blues-Rock, igualmente. Fernando Tavares brilha intensamente ao fazer um solo muito técnico e ao mesmo tempo, ultra melódico, a mostrar seu talento criativo e sob um belo timbre, devo registrar. Tem também nas partes B e C, atrativos muito interessantes e Milton mostra toda a sua técnica, inclusive no uso da alavanca, bem ao estilo de guitarristas mais contemporâneos seus, casos de Joe Satriani e Steve Vai. E o Riff final, sob uma convenção rápida e muito precisa, mostra a banda muito afiada. 

O Blues do Rock” , como o título sugere, recorre ao Blues como base, mas sob uma pegada quase a beirar o Country-Rock virtuose de uma banda como o Dixie Dregs, por exemplo. Fernando Tavares faz mais um solo espetacular de baixo e o baterista, Luis Pegoto, brilha ao soltar frases muito pontuais, mesmo ao manter uma batida tradicional, na maior parte do tempo. 


Libertadora”, mostra um Hard-Rock em essência, daqueles baseados no estilo “AOR”, bem do final dos anos setenta / início dos oitenta, onde bandas como “Foreigner”; “Boston” e “Journey” foram dos seus maiores expoentes, sem dúvida. Mas tem uma pitada de Rock Progressivo setentista, pois como Fernando Cardoso tocou órgão Hammond nessa faixa, um ligeiro interlúdio desse estilo é notável, ao trazer lá pelo meio da canção, uma evocação do som do “UK” e dos discos solo do tecladista, “Rick Wakeman”, sem dúvida. Os solos de Milton impressionam não só pela técnica, mas pelos timbres, muito bonitos.


Ganhar e Perder” é a única faixa cantada e é super Pop Rock dos anos oitenta e não é para menos ao contar com a voz potente do ex-vocalista do “Rádio Táxi”, Willie de Oliveira. O refrão é bem grudento tem algumas convenções mais complexas que lembram o som do “Taffo”, uma referência óbvia e da qual acho não carecer nenhuma explicação adicional.


6 cordas e Muitas Alegrias”, antes mesma de ser escutada, tem no encarte uma explicação muito bonita do Milton, sobre sentir-se gratificado em ser músico e conviver com tantos músicos incríveis com os quais já tocou e toca. E sobre a canção em si, trata-se de uma mini suíte, onde Milton construiu diversas partes distintas para dar vazão aos seus convidados poder atuar. Portanto, tem o trecho Progressivo, para que Sergio Hinds fizesse seu solo; Hard-Rock para a atuação de Robertinho de Recife; Jazz-Fusion com Mozart Mello a brilhar e finalmente, André Christovam com seu slide fecha com o solo em ambientação Blues-Rock. E ao final, um trecho onde todos, incluso, Milton, solam sob revezamento. Uma faixa poderosa, portanto, com tantas feras juntas.


Trem Azul”, quando pensei já ter ouvido todas as possibilidades dessa linda canção de Lô Borges & Ronaldo Bastos, sob múltiplas interpretações, incluso as clássicas, do próprio Lô e de Elis Regina, eis que o Medusa Trio surpreende-me e apresenta-a sob uma vestimenta Blues, belíssima. Adorei a introdução bastante criativa e a levada vigorosa da banda.


O Blues do Medusa”, tem uma condução melódica na guitarra, espetacular a lembrar, pelo estilo e timbre, o som de Jeff Beck. Aqui a base harmônica é bem Jazzy e a sobreposição de guitarras, solos e base, é muito bonita. Essa faixa foi gravada muitos anos atrás, em 2009, com o baixista, Ronaldo Lobo, na formação.


Gravado no estúdio Purosom, de São Paulo, em 2017, tendo como técnico de gravação; mixagem & masterização, Edson Paulino. 
As intervenções do órgão Hammond, foram gravadas no estúdio, Áudio Freaks, com o técnico, Renato Coppoli. 
Mozart Mello gravou sua guitarra em seu Home Studio, em São Paulo. 
Robertinho de Recife gravou no RR Studios – Polorio, no Rio de Janeiro.
André Christovam gravou no Music Studio em Glascow, na Escócia.

Direção de estúdio : Milton Medusa e Edson Paulino

Pré-produção de Milton Medusa e Fernando Tavares.

Direção de arte : Michel Camporeze Teér

Fotos : Deca Pertrini

Formação do Medusa Trio nesse álbum

Milton Medusa – Guitarra

Fernando Tavares – Baixo

Luis Pagoto – Bateria

(Faixa 10 – Ronaldo Lobo – Baixo)


Músicos convidados :

Fernando Cardoso – Teclados

Sergio Hinds - Guitarra

Robertinho de Recife – Guitarra

Mozart Mello – Guitarra

André Christovam – Guitarra

Willie de Oliveira – Voz

Daril Parisi – Backing Vocals


Agradeço muito ao Milton, pela amizade e inclusive por ter sido um dos maiores incentivadores para que eu empreendesse esforços para escrever o meu livro autobiográfico da carreira musical e por ter apresentado-me ao Fernando Tavares, que foi meu editor na revista Bass Player, no período em que fui colaborador desse veículo. E pela inclusão do meu nome na lista de agradecimentos aos apoiadores do seu trabalho, fiquei muito honrado e feliz por isso.


Para conhecer melhor o trabalho do Medusa Trio, acesse o seu site oficial :




O canal de You Tube da banda :




E a página da banda, no Facebook :



Eis aí um trabalho que recomendo, música de alto quilate, feita por músicos virtuoses, mas que observam o bom senso acima de tudo, portanto, não é um trabalho feito para ser apreciado apenas por músicos, mas agrada a todos.

4 comentários:

  1. Adorei a análise detalhada e rica, com abordagem séria e profundamente técnica.
    Escutei o Cd e me encanto a cada releitura.
    Certamente, trata-se de trabalho primoroso dos músicos, que se agiganta com os comentários tecidos neste blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Adriana !

      Fico muito feliz por saber que leu, apreciou a resenha e que esta tenha surtido o efeito em aguçar sua vontade para ouvir o álbum em questão. Fico lisonjeado pelos elogios e gratificado por verificar que meu intento logrou êxito, ao trazer visibilidade para o trabalho dessa ótima banda.

      Grato pela visita, comentário rico e atenção ! Deixo o convite para visitar o Blog mais vezes, tenho inúmeras outras resenhas anteriormente publicadas, sobre trabalhos de artistas extremamente inspirados e que infelizmente tem pouca ou nenhuma chance na mídia mainstream. É só procurar nos arquivos do Blog, à sua inteira disposição.

      Grande abraço !

      Excluir
  2. Olá, Luiz!
    Fiz o comentário anterior e não me identifiquei.
    Sou Adriana Machado Yaghsisian.
    Mais uma vez, parabéns pelo seu trabalho!
    Até! !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Adriana !

      Sem problemas, o importante é que postou o segundo comentário identificando-se. Grato por tal gentileza de sua parte.

      Abraço !

      Excluir