sexta-feira, 21 de junho de 2013

Monteiro Lobato Preocupado com o Petróleo - Por Luiz Domingues

                      
Vivemos uma Era de euforia em decorrência da descoberta do Pré-Sal.

Segundo estimativas, o Brasil entrará para a OPEP (Organização Mundial dos Países Produtores de Petróleo), superando a perspectiva da autosuficiência (que por si só, já seria excelente), para alçar-se à condição de exportador.

Porém, até chegarmos nesse ponto, muitas coisas ocorreram antes e a questão petrolífera no Brasil gerou muita controvérsia.

Os primeiros registros de exploração por aqui, datam do século XIX. O Marquês de Olinda autorizou um pequeno empreendedor chamado José Barros de Pimentel, a fazer pequenas prospecções às margens do rio Marau, na Bahia.

Nas três primeiras décadas do século XX, os registros oficiais dão conta de que pessoas comuns do povo, exploravam essa extração de forma precária, sem nenhuma regulamentação oficial ou ação empresarial constituída.

Foi então que o governo Vargas, na década de trinta, entrou de sola nessa questão, criando restrições oficiais à essa prática, mas ao mesmo tempo não criando mecanismos claros sobre a exploração, gerando assim, muita insatisfação por parte de muitas pessoas politizadas, sobretudo. 

E um desses intelectuais insatisfeitos, e que mais bateu publicamente no governo Vargas, foi o escritor Monteiro Lobato. 

Lobato era muito famoso por ter criado o personagem Jeca Tatu, onde criticava o atraso do país, e veladamente o atribuía (também, mas não tão somente, pois deixou claro que Jeca Tatu não era assim, mas "estava assim", cutucando o governo), à preguiça como marca registrada da índole do povo brasileiro (há certamente uma similaridade entre Jeca Tatu e o Macunaíma de Mário de Andrade, nesse aspecto). 

Lobato também era famoso por ter criado o "Sítio do Pica-Pau Amarelo", sua literatura infantil que atravessaria décadas, mas havia um lado seu sóciopolítico que era forte e expressou-se em vários livros.

No caso da exploração do petróleo no Brasil, a questão principal que o indignou, residia no fato de que o governo Vargas criara restrições, mas não apontava soluções. 

Se a riqueza natural era de todos, ou o governo criava mecanismos para a exploração, repassando os lucros à população, ou permitia a livre exploração por parte de qualquer interessado, ainda que tributando os lucros, logicamente.

Nesse impasse, Lobato passou a protestar publicamente através de artigos na imprensa, mas foi em 1936, que sua contundência chegou ao clímax, quando lançou o livro : "O Escândalo do Petróleo".

O livro esgotou sua primeira edição muito rapidamente e incomodou o poder ditatorial de Vargas. 

Tornou-se um slogan a expressão "não perfurar, nem deixar que se perfure", uma clara alusão à inércia de Vargas nessa questão.

Em 1937, a repressão oficial censurou o livro e mandou recolher suas cópias disponíveis nas livrarias. Mas no mesmo ano, Lobato lançou mais um livro do seu "Sítio" e usou o seu fantástico personagem, o "Visconde de Sabugosa", uma espiga de milho humanizada e intelectual, para dar mais pauladas no governo Vargas. 

No livro "O Poço do Visconde", Lobato usou a voz do simpático Visconde de Sabugosa para ser veemente : "Ninguém acreditava na existência de petróleo nesta enorme área de 8.5 milhões de KM quadrados, toda ela circundada pelos poços de petróleo das repúblicas vizinhas..."

Duas correntes políticas se posicionaram frontalmente nessa questão, a partir daí. Os nacionalistas queriam a criação de uma empresa estatal para monopolizar o controle da extração e os chamados "entreguistas" (pejorativamente assim conhecidos, é claro), que defendiam a tese da exploração ser aberta também à empresas estrangeiras estatais ou particulares. 

Em 1941, Lobato foi preso por um general do exército, que curiosamente envolveria-se anos depois, com a campanha "O Petróleo é nosso", nos anos quarenta. 

Foi criada a Petrobrás em 1953 e só recentemente o governo mudou as regras e abriu espaço para empresas estrangeiras particulares atuarem em parceria.

Qual seria a opinião de Monteiro Lobato sobre o atual panorama petrolífero do Brasil ?  

Se por um lado, possivelmente estaria feliz por constatar esse potencial produtor, que na sua época era inimaginável, por outro, estaria perplexo por constatar que tal riqueza não se reflete na economia popular como era de se esperar.

Os economistas, tributaristas e técnicos do governo falam, falam, mas não explicam com clareza o porque do preço dos combustíveis ao consumidor final, serem tão tão caros. 

E numa economia onde esse fator é o principal motivador da alta de todos os produtos e serviços possíveis e imagináveis, realmente causa espanto que uma riqueza assim não seja distribuída equanimamente para o seu verdadeiro dono, o povo. 

Vai demorar um pouco, mas quando os primeiros barris extraídos da safra do Pré-Sal começarem a render lucros, qual vai ser a desculpa governamental ? 

Tomara que não, mas se essa riqueza não for repassada corretamente, só nos restará torcer para que o Visconde de Sabugosa use de sua sabedoria enciclopédica, e seja o nosso porta-voz indignado.  
Matéria publicada inicialmente no Blog Planet Polêmica, em 2013.

2 comentários:

  1. Que ótimo conhecer melhor essa figura brasileira e ver que sua sabedoria vai muito além do Sítio, já ouvi falar no Jeca Tatu, mas não sabia que era criação de Monteiro lobato. Personagens incrível inclusive, que infelizmente ainda reflete nossa sociedade que 'anda com passos de formiga e sem vontade'. Enquanto ao petróleo, acho que antes de qualquer coisa temos que pensar no impacto ecológico que toda exploração pode causar no nosso planeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal que apreciou a matéria, Fernanda !

      De fato, a atividade de Monteiro Lobato não se restringiu à literatura infantil. Pelo contrário, escreveu livros contundentes de teor político e até ficção científica, coisa rara entre escritores brasileiros.

      Bem observado por você, claro que a questão ambiental tem de ser bem apurada na questão petrolífera e o que acontece, geralmente, é o contrário, com a ganância e cupidez de lucros cegando os inescrupulosos.

      Obrigado por ler e comentar !!

      Excluir