sábado, 26 de outubro de 2013

O Motor de Detroit Pifou - Por Luiz Domingues

Entre tantos ícones culturais americanos, sem dúvida que o automóvel ocupa um lugar de alto destaque.

E nessa iconografia, a cidade de Detroit teve papel importante, por concentrar a maior parte da produção nacional, algo parecido com o que a região do ABC paulista já representou para o Brasil, nesse quesito, mas numa proporção muitíssimo maior.

Fundada pelos franceses no início do século XVIII, tem no seu nome, uma adaptação para o inglês, de seu nome original : "Fort Ponchartrain du D'Etroit", onde se entende "Etroit", em francês, como "estreito".

Era uma cidade comum, do estado do Michigan, fazendo fronteira com o Canadá, até que no avançar do século XX, a indústria automobilística se tornasse gigantesca, ali.

Nesses anos de ouro, principalmente nas décadas de cinquenta e sessenta, a cidade observou um fenômeno interessante.


Por conta desse volume de recursos advindos dessa bonança da indústria, houve um boom imobiliário na direção de subúrbios próximos, e dessa forma, o centro da cidade, foi se tornando inóspito e sombrio.

Enquanto o subúrbio tinha ares de Beverly Hills, a cidade foi se tornando cinzenta, e dando margem assim, ao aumento de violência urbana, formação de gangs de vândalos etc.

Por outro lado, Detroit teve na música, momentos de prosperidade e qualidade artística, memoráveis.

A gravadora Motown, ali estabelecida, tinha no seu cast, a fina flor da Black Music, com grandes artistas da cena do Rhythm and Blues; Soul e Funk.
Aliás, o nome "Motown", era um neologismo de "Mo", de "motor" (uma alusão à vocação da cidade de Detroit), e "Town", literalmente, "cidade".

No campo do Rock, Detroit também foi berço de muitos artistas que se tornariam mundialmente conhecidos. Alice Cooper; Ted Nugent; The Stooges; e MC5, estão entre os mais significativos, além do próprio Grand Funk Railroad, que era de uma cidade próxima, Flint. 

No caso do MC5, muitas das letras de suas canções, refletiam claramente o ambiente de Detroit, com seu cinza e as multidões de operários.

Mas veio a crise do petróleo em 1973, e ainda que imperceptível naquele momento, Detroit começava um sutil processo de decadência, que ficou acentuado, só na segunda metade daquela década, quando começaram a entrar no mercado americano, os carros japoneses, com muita força e preços imbatíveis.


Arrastando-se nessa perspectiva, a cidade foi decaindo e quando a grande crise de 2008, instaurou-se com força, Detroit que já agonizava, entrou num colapso.

Recentemente, a cidade decretou a sua falência. Um duro golpe para os habitantes da cidade dos motores, foi anunciado que sua dívida pública alcançara a cifra impagável de U$ 20 bilhões de dólares, e a prefeitura jogou a toalha para o governo estadual do Michigan. 


Índices assustadores mostram que os subúrbios no entorno da cidade, estão em clima de desolação. Casarões decadentes estão sendo abandonados, caindo aos pedaços, mais parecendo cenário de filmes hollywoodianos sobre o fim do mundo.

Detroit, no auge da indústria, chegou a ter 1.8 milhões de habitantes. Hoje, não passam de 700 mil, refletindo a debandada da população, num ritmo de migração interna, em busca de melhores oportunidades de subsistência.

Uma pena para quem já chegou a ser a terceira maior cidade americana, e berço do maior parque automobilístico do mundo.

Matéria publicada inicialmente no Blog Planet Polêmica, em 2013

2 comentários:

  1. e a gente que as vezes pensa que o Automovel é um bem duravel.Mas uma pena para acidade de Detroit , imagino como é viver nesse momento neste lugar .O Pessoal nao deve estar entendendo nada.Vamos torcer que ainda possa mudar e a Cidade de Michigan possa ajuda-lo.Ou o proprio governo federal .No campo da Musica Rockroll o Grund Funk e o Alice Cooper se destacaram desde o inicio de 70.Nos fions de 60 como disse ai em cima o Stooges e MC5 foram reconhecidos na linha Rockrolll tambem .Belo trabalho postado por essa Cidade podemos dizer Fantasma ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, amigo Oscar...

      Muito triste uma cidade que já foi tão poderosa estar nessa decadência total, mais parecendo cenário de filme Sci-Fi sobre o fim do mundo.

      O governo estadual do Michigan e a União, já estão ajudando, mas o estrago foi enorme e vai demorar bastante para Detroit reerguer-se.

      Uma pena, pois além de ter sido a cidade dos motores por tantos anos, Detroit foi uma cidade musical por excência, com a sede da gravadora Motown com o melhor da Black Music e grandes nomes do Rock como os que você citou.

      Acho que sim, podemos dizer que se tornou cidade fantasma...

      Grande abraço !

      Excluir