segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Dr. Kildare - Por Luiz Domingues


Séries baseadas em dramas hospitalares são antigas na TV.


Tal mote já foi bastante usado na últimas décadas, e claro que no imaginário popular mais atual, a lembrança recua até “Plantão Médico” (ER); Grey’s Anatomy; House; Scrubs, e outras contemporâneas, mas o fato é que tal abordagem é bem mais antiga na história da TV.


Recuando na década de setenta, houve “The Rookies”, e um pouco antes “Julia”, com personagens enfermeiras protagonizando tais seriados.


Mas o recuo é ainda mais longínquo, remetendo ao início da década de sessenta, com dois mega sucessos que entraram para a história da TV : Dr Kildare e Ben Casey.


No caso de Dr. Kildare, a origem do personagem era bem mais remota ainda, chegando aos anos trinta.


Tal personagem, um jovem médico residente de um hospital e que invariavelmente se envolvia com o drama pessoal de cada paciente, apresentando-se como um verdadeiro anjo da guarda como psicólogo; assistente social; guarda costas; conselheiro, e até fiador, nasceu enquanto personagem de novelas.


Criado por Max Brand, pseudônimo de Frederick Schiller Faust.
Frederick na verdade, tinha diversos pseudônimos e foi, entre os anos dez, e os anos quarenta do século passado, quando morreu, um dos mais compulsivos escritores americanos, tendo deixado um número absurdo de contos, novelas, historietas e congêneres literários, finalizados.
Escrevia sob vários estilos, mas predominava o gênero Western.


Suas novelas ambientadas no velho oeste americano, fizeram sucesso como literatura popular, e alimentaram bastante as radionovelas; cinema, e posteriormente a TV.
Dr. Kildare, no entanto, era uma pequena exceção de seu padrão, ao apresentar um personagem urbano, e solidário, portanto destoante de um mundo urbano permeado por gangsterismo; crime, e diversas mazelas exacerbadas pelo período de Pós-Depressão, de 1929.


A primeira incursão do personagem fora dos livros, deu-se no cinema, em 1937.
Em “Internes Can’t Take Money”, o jovem médico envolve-se num drama policial com clima “noir”, ao tratar da jovem viúva de um gangster, que por sua vez, está sendo chantageada pelos comparsas de seu falecido marido.


Com atores top do cinema trintista, como Lyonel Barrymore e Barbara Stanwick, o personagem do jovem médico ficou a cargo de Joel McCrea.
Sucesso na época, deu margem à MGM para que desse continuidade, lançando mais nove filmes explorando o personagem, mas dali em frente, com outro ator defendendo o galante médico, Lew Ayres, e Lyonel Barrymore, fazendo o diretor do hospital.


Nos anos 50, a fama do personagem estava consolidada, e possibilitou a sua introdução ao mundo radiofônico, através das radionovelas.


Mas com a TV ganhando cada dia mais espaço, no início dos anos sessenta, chegou à tela pequena, transformando-se num tremendo sucesso.
A primeira temporada iniciou-se em 1961, com o então desconhecido ator Richard Chamberlain, como o jovem Dr. Kildare.
Para interpretar o Dr. Gillespie, seu mentor, e diretor do Hospital, assumiu o ator, Raymond Massey.


Inicialmente, os produtores queriam James Franciscus, ou William Shatner para interpretar o Dr Kildare, mas ambos recusaram o papel.


Shatner alegou que não queria ficar preso à um personagem fixo de seriado, acostumado que estava a fazer apenas participações em diversas séries, desde o final dos anos cinquenta.
Mas curiosamente, cinco anos depois, ficaria não só preso como protagonista de uma série, como faria sua fama indelével, ao interpretar o valente Capitão Kirk, da nave espacial "Enterprise", em "Star Trek" (Jornada nas Estrelas).


Nas quatro primeiras temporadas, o formato do seriado seguia o padrão normal da época no tocante à metragem, e conclusão da narrativa em questão.
Nesse trecho de um episódio acima, Barbara Eden entra em cena, e justifica sua futura fama, mostrando como Jennie seria um Gênio...

Em cerca de 50 minutos, uma história se desenvolvia com começo, meio e fim, respeitando o padrão de um filme longa metragem.
Um dos mais sensacionais episódios, chamado “Duet For One Hand”, deu-se pelo argumento, mas também pela oportunidade de colocar em cena dois atores sensacionais do cinema das décadas de trinta e quarenta : Basil Rathbone e Raymond Massey.
Massey era do elenco fixo da série, e Rathbone que foi um dos maiores, senão o maior intérprete do inspetor Sherlock Holmes na história do cinema, interpreta um pianista concertista, que enfrenta o Mal de Parkinson.


São momentos ricos de interpretação entre os dois veteranos atores, fora a trilha sonora especial para a ocasião, com bastante Chopin no ar, para justificar o drama do pianista que vê suas mãos preciosas falhando pela doença.


Outro ator de quilate que participou, o britânico James Mason, estiloso como sempre, em sua interpretação garbosa.
Muitas figuras carimbadas das séries de TV fizeram participações especiais, como : Lesley Ann Warren; Lee Meriwether; Martin Balsam; James Earl Jones, Darren McGavin; Ricardo Montalban; Dean Stockwell; David Opatoshu; Barbara Eden; Robert Reed; Sal Mineo;Yvette Mimieux; Yvonne Craig; Cesar Romero; Jack Lord, Leslie Nielsen etc.


E figuras gigantes do cinema, como : Ralph Bellamy; Claude Rains; Lauren Bacall; Celest Holm; Charles Bronson; Fred Astaire, e Jack Nicholson.


Além do eterno capitão Kirk, Willian Shatner, que recusou ser o intérprete oficial do Dr.Kildare, mas aceitou ser ator convidado em um episódio.
Somente na quinta temporada, a derradeira, de 1964-1965, a produção quis dar uma guinada na formatação, acreditando que a simples novidade da nova temporada ser exibida em cores, não bastaria para manter a audiência, que sofria um desgaste, não pelo cansaço em si do drama, mas pelo fato inconteste de que a concorrência estava muito forte.
E a mudança praticamente transformou a série em uma novela, pois as histórias passaram a apresentar continuidade, com o famoso gancho entre um episódio e outro etc etc.


Mas isso não impediu o cancelamento, e infelizmente, estava encerrada a saga do jovem médico, e seu mentor experiente, na TV.
No Brasil, o sucesso que a série fez foi muito grande, também.


Era exibida pela saudosa TV Excelsior, na década de sessenta, com uma grande reprise na TV Bandeirantes na década posterior, até sumir da grade da TV.
Richard Chamberlain tornou-se galã mundialmente famoso, mas não conseguiu construir uma carreira significativa no cinema por conta dessa fama, ficando confinado ao mundo da TV, com participações em TV Movies, sendo estigmatizado posteriormente mesmo, como um ator de Mini Séries, pecha da qual acabou não se livrando mais.


Seguindo o padrão alto das produções americanas, é claro que a trilha musical de Dr. Kildare, era bem bacana.
O tema de abertura, chamado “Three Stars Will Shine Tonight”, composto por Jerry Goldsmith (em parceria com Pete Rugalo e Hal Winn), um grande compositor e maestro (com carreira brilhante, basta examinar seu curriculum), é bastante bonito.
Claro, aproveitando a fama da série à época, Richard Chamberlain foi incentivado a se meter a cantor, e até gravou a versão do tema de abertura da série, num dos discos que lançou no mercado, mas que sinceramente, nada acrescentam musicalmente, tampouco à carreira dele.

Ainda no auge do sucesso televisivo do seriado, uma versão no formato das histórias em quadrinhos, chegou às bancas da América, fazendo sucesso moderado, pois o público infantojuvenil, fiel consumidor da HQ, não se identificava inteiramente com o personagem, e as meninas, principalmente, preferiam acompanhar na TV para ver o galã Chamberlain, e não por um desenho.
Em 1972, a MGM decidiu produzir um remake da série.


Como sempre, algum produtor deve ter argumentado na reunião de pauta, que a história era boa; o personagem carismático, e que valia a pena trazê-lo à tona novamente com roupagem "moderna", usufruindo da tecnologia mais avançada, blá blá blá...


Claro que não “pegou”, como é quase uma praxe para um remake, mas essa gente parece não aprender com a constatação, enfim.


Mesmo carregando um pouco no drama, Dr. Kildare marcou história na TV, e deixou saudade entre os seus fãs, abrindo o caminho para outros seriados baseados no ambiente hospitalar, e que seguiriam a fórmula dos conflitos de bastidores se misturando aos problemas de saúde dos pacientes, e principalmente no embaralhamento de seus dramas pessoais, com o dos médicos e enfermeiros.
Que eu saiba, não saiu no Brasil um DVD Box Set oficial com as cinco temporadas completas.


Tenho conhecimento de cópias incompletas, disponíveis em sites de colecionadores, apenas.
No cômputo geral, Dr Kildare foi uma boa série, explorando os conflitos humanos diante da iminência da doença como pano de fundo, explorando bem a ideia original das novelas escritas por Max Brandon (Frederick Schiller Faust), o criador do personagem.

12 comentários:

  1. Gostava de assistir Jornada nas Estrelas. Esse ator era galã e muito bom mesmo! Não tive a oportunidade de assistir Dr. Kildare. Mas pelo o que escreveu, deve ter sido bem interessante. Gostaria de ter assistido .
    Gosto muito de suas matérias Luiz. Sempre que posso, leio e comento.
    Parabéns como sempre! e obrigada por compartilhar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. William Shatner recusou ser o ator protagonista de Dr. Kildare, mas poucos anos depois ficaria famoso como o Capitão Kirk, de Star Trek (Jornada nas Estrelas).

      Quanto à Dr. Kildare, existem fragmentos de episódios no You Tube, com dublagem brasileira de época. Já nos Estados Unidos, tem Box Set DVD com a série completa, mais extras etc e tal.

      Muito grato pela sua participação !!

      Excluir
  2. Você tinha razão, nâo assisti a essa série. Pelo que escreveu achei interessante, principalmente pelas curiosidades, só as participações especias da Barbara Eden, William Shatner, que quem diria nâo queria ser estigmatizado por um personagem, ironia do destino... já valem a pena, fora a trilha sonora do Jerry Goldsmith que nâo necessita de apresentações. Muito rico e informativo seu texto, valeu Luiz!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa série teve momentos marcantes, sem dúvida. Apesar da minha tenra idade, quando de sua exibição no Brasil, a partir de 1962, tenho boas recordações dela.

      Como acontece com toda série que faz sucesso na América, a possibilidade de atrair muitos astros da TV e do Cinema para fazer participações especiais, foi grande. No caso de Barbara Eden, ela ainda não havia ficado famosa, mas pela cena que escolhi para ilustrar a matéria, dá para notar como sua beleza estonteante iluminava a tela.

      E quanto à Jerry Goldsmith, sem comentários...simplesmente um gênio.

      Grato por ter lido e comentado !!

      Excluir
  3. Nossa Luiz!!!! Mais uma vez vc me remeteu lá atrás...à sala da casa dos meus pais...que delícia de texto!!!! Claro que eu assistia Dr. Kildare!!! garotinha, era fãzassa!!! Confesso que, muitos anos mais tarde, quado soube que o Richard Chamberlain era gay fiquei muito desapontada...era um galã, para mim!!! Sensacional o trecho com a Barbara Eden! Adorei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que maravilha ter lhe proporcionado uma viagem no tempo e esse contato querido com sua infância e o seio familiar.

      Minha lembrança de Dr. Kildare é igualzinha, ou seja : sala de estar do "Lar, Doce Lar"; Papai; Mamãe & Vovó em volta, e os olhinhos grudados na tela da jurássica TV de válvulas, tubo enorme e imagem preto-e-branco...

      Chamberlain foi um galã que ainda sofreu com a intolerância no cinema e TV, numa época onde os produtores chegavam a colocar cláusula em contrato, para assegurar a blindagem absoluta da homossexualidade de atores e atrizes, sob a pena de ter prejuízos com a eventual descoberta desse fato.

      O caso mais gritante foi o de Rock Hudson, que assim como Chamberlain, escondeu sua homossexualidade até onde pode, quando sucumbiu nos anos oitenta, pela Aids e por ser um dos primeiros casos entre artistas famosos e a medicina da época ainda estar despreparada para enfrentar tal doença, foi um escândalo vê-lo definhar daquela forma e ainda com uma saraivada de críticas maldosas pelo fato da doença ser atribuída à prática pederasta.

      Quanto à Barbara Eden, sensacional, mesmo. Barbara era (é) lindíssima e o sortudo ator Michael Ansara que o diga...

      Excluir
  4. Oi, Luiz
    Que legal! Adorei relembrar dr. Kildare. Costuma assistir com o meu pai.
    É bom saber que o dr. House não é o único famoso na TV!
    Parabéns, pelo artigo!
    Abracos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lembrança maravilhosa, Janete...

      Meu caso também, assistia Dr. Kildare acompanhado de meus pais e minha avó paterna.

      De fato, muito antes do Dr. House, Dr. Kildare e Ben Casey fizeram história na TV, como personagens médicos.

      Muito grato pela participação !!

      Excluir
  5. Gostei muito de relembrar essas séries!
    Eram super interessantes e emocionantes, havia muito sentimento envolvido, acho que as pessoas eram mais solidárias e envolvidas com os sentimentos alheios e sofrimentos também!
    Bjus
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você observou com muita propriedade : nessa época, as pessoas eram muito mais dóceis, fraternais e sensíveis.

      Em tempos de luta árdua pela sobrevivência, aliada à banalização da violência e stress absoluto no cotidiano permeado pela truculência, sinto muita falta dessa docilidade de outrora.

      E nesse caso, uma série dramática como Dr. Kildare, que tratava de questões tão humanas, permeadas pela iminência da morte e da dor / doença, havia o elemento da solidariedade.

      Indo além, tratando especificamente da medicina, numa série como Dr. Kildare, a preocupação dos médicos e enfermeiros com o bem estar dos pacientes era um reflexo desse humanismo perdido no tempo e no espaço. Hoje, se não tem plano de saúde ou apresenta um cheque calção num valor astronômico, o paciente é convidado a se retirar do saguão do estabelecimento hospitalar.

      Ou seja, saudade do Dr. Kildare...

      Grato por ler e comentar !!

      Beijo, amiga !

      Excluir
  6. Olá. tinha 4 anos e assisti a ultima temporada do Dr Kildare com minha mãe. Era uma série excelente e de muita audiência, acho que exibida pela saudosa e extinta TV Excelsior. Gostaria de pedir a TCM para reprisa-la, mas acho que é pedir demais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá !!

      Antes de mais nada, estou muito feliz por sua visita ao meu blog, e mais ainda pela postagem de comentário.

      Exatamente, Dr.Kildare foi exibida pela TV Excelsior de São Paulo, nos anos sessenta.

      Receio que o canal TCM mudou sua mentalidade, faz um certo tempo até, pois o conceito de "vintage" para eles passou a ser as décadas de oitenta e noventa do século XX, apenas, e produções mais antigas não tem mais vez em sua grade.

      Só pelo fato da produção de TV dos anos 1950 e 1960 ser em preto e branco em sua maioria (as produções em cores começaram em 1966), inviabiliza a exibição, sob a alegação de que as novas gerações não suportam assistir nada em PB. Uma pena que se baseiem numa mentalidade tão rasteira.

      Visite sempre o meu Blog ! Tenho outras matérias falando de séries de TV antigas, e muito sobre cinema.

      Abraço !!

      Excluir