segunda-feira, 4 de junho de 2018

CD Sob os Olhos de Eva / Kaoll - Por Luiz Domingues


Fico abismado quando observo manifestações oriundas da parte de diversas pessoas nas redes sociais da internet, a lastimar o estado degradante em que encontra-se o panorama da música e da arte em geral nesta atualidade de fim dos anos dez, do século XXI. A reclamação procede em linhas gerais, porém, existe um aspecto que também é evidente, mas as mesmas pessoas que reclamam o tempo todo, não percebem ou não querem perceber, que tal panorama desfavorável não é motivado pela escassez de artistas expressivos e que tenham algo relevante a acrescentar para o espectro cultural da sociedade. Não é o caso aqui para estender tal reflexão, mas para resumir, a degradação não passa pela falta de artistas com qualidade e desejo em dar o seu recado bem embasado, mas simplesmente por haver um vergonhoso monopólio na difusão cultural mainstream a proibi-los, veladamente, ao livre acesso e assim atingir o grande público. Portanto, artistas incríveis, temos em profusão, todavia, simplesmente não estão nos programas popularescos da TV; não são convidados a ceder suas obras para alimentar as trilhas das novelas e sua música não toca nas emissoras de rádio, oficiais. Apenas isso...

É o caso do Kaoll, uma banda que já tem uma história significativa na cena da música instrumental, com discografia numerosa e além da sua qualidade técnica e artística, está sempre imbuída por uma sólida base cultural. “Sob os Olhos de Eva”, é o novo álbum do Kaoll e traz em seu bojo um advento muito rico ao basear-se na obra de um livro e a seguir a modernidade tecnológica, oferta ao público, um aplicativo para ser automaticamente unido a um arsenal de ilustrações e vídeos análogos. Sobre o livro, trata-se da obra homônima, do pensador, Renato Shimmi. Filósofo, com graduação também em Direito e com diversas especializações, Shimmi é um pesquisador sério, com renome, e sua fama justifica-se plenamente, pelo teor de sua obra. Neste livro, Renato Shimmi apresenta uma série de ensaios a analisar a questão da unidade que transcende a questão dual enfocada no mito de Adão & Eva, proveniente do Genesis bíblico. Através de tal prospecção, com profundidade, joga luzes sobre todo o desenvolvimento da humanidade ao longo dos séculos, através da construção e quebra eventual dos paradigmas estabelecidos. Não li o livro, ainda, mas através do release da obra, chamou-me a atenção uma colocação forte de seu autor a dar ciência de que o caráter libertário em desobedecer as ordens impostas arbitrariamente, foi sufocado por séculos, em uma demonstração clara da ostentação totalitária, portanto o que foi institucionalizado como paradigma irrefutável, pode e na verdade, deve ser contestado, sem dúvida alguma.

Portanto, é sob essa sólida argumentação filosófica proposta pelo pensador, Renato Shimmi, que o Kaoll concebeu o conjunto de músicas de sua mais recente obra e somente por essa iniciativa, este álbum já demonstra ter um lastro enorme. Contudo, vai além, pois a parte musical é riquíssima e nada surpreendente para quem acompanha a trajetória dessa banda e a qualidade inquestionável de seus componentes, individualmente a destacar-se.
O trabalho do Kaoll é fortemente influenciado por uma gama de vertentes musicais muito valiosas, mas que tem um componente em comum, o apreço (e a coragem, devo salientar), em fazer uso do experimentalismo, na contramão das regras ditadas pelos produtores musicais que atendem os interesses em prol da música pop comercial de alto consumo e descartável. Dentre as suas ótimas influências, nota-se a presença de vertentes do Rock Progressivo setentista, a destacar-se a corrente do Krautrock, a maravilhosa escola alemã dos anos setenta, que notabilizou-se na história do Rock, justamente por abrigar uma gama de artistas que usaram o experimentalismo, fortemente em suas respectivas obras. Soma-se também nesse bojo, o Jazz, sobre algumas linhagens, o Jazz-Rock  predomina, mas há gotas interessantes de outras linhas, como o Free-Jazz e o Fusion, certamente. A música erudita, sob o aspecto de suas camadas mais recônditas, marcadas pelo atonalismo; dodecafonismo e outras correntes mais radicais dentro do gênero; a música Folk, no sentido amplo da designação etc.
Na prática, o som do Kaoll é um instrumental muito versátil, a mesclar a extrema docilidade da flauta aos solos de guitarra mais proeminentes, com pegada Rocker. Transita entre longos temas, como uma Jam Band, mas tem seus momentos mais concisos, com arranjo fechado e permeado por convenções bem arranjadas. Apresenta um arsenal de melodias, muito bom e a parte rítmica da banda é igualmente excelente, com a presença de várias batidas diferentes, a usar bem as variações nas fórmulas de compasso e claro, com toda essa categoria e ótimas influências apresentadas pelos seus membros, busca os melhores timbres, em perfeita sincronia com a preocupação em ter seu áudio a altura de seu quilate artístico. O álbum, “Sob os Olhos de Eva”, apresenta seis faixas. A primeira, a abrir a obra, é homônima.

Em “Sob os Olhares de Eva”, a banda apresenta uma introdução bastante instigante, a lembrar-me o trabalho de bandas progressivas bem do final dos anos sessenta, que faziam aquela transição entre a psicodelia e o iniciante progressivo, propriamente dito. Alguns historiadores rotulam essa corrente intermediária como “Space Rock”, a denotar uma aproximação da música com a expansão espacial da humanidade, então sob alta voga. Logo entra uma parte intermediária onde com muita docilidade, a flauta leva a banda para um passeio muito bonito. Mais um pouco e o Folk que surge é delicioso. Sob uma percussão bem colocada, a banda faz uma base amena, muito bem amalgamada pelo slide de guitarra. A parte final é marcada por um looping extremamente bonito, com maior peso e a guitarra é belíssima em sua linha de frente. Na sincronia com o livro, tal tema exprime a visão de Eva ante a oferta da serpente, sua sede pelo conhecimento, que pelo paradigma religioso imposto-nos, é tido como algo maléfico e arrogante, por afrontar uma ordem superior, mas a proposta é a reflexão em torno do contrário, ou seja, não seria a arrogância do totalitarismo que impede a expansão do homem, portanto, o verdadeiro "mal" a ser combatido ?

O próximo tema é denominado : “O Exílio da Serpente”. Tudo soa belo nessa faixa. O trabalho magnífico das cordas, da flauta e a cozinha que soa sob uma inspiração fantástica. Teclados pontuam com muita propriedade, a trazer timbres ótimos dos velhos sintetizadores Moog, Arp Strings e o tradicional piano vem muito bem no bojo. Lembrou-me o Jethro Tull em seus melhores momentos, com aquela capacidade ímpar que a turma de Anderson; Barre & Cia. possuía em criar arranjos com polimelodias, todas muito bem encaixadas e que obrigam o ouvinte a escutar a faixa várias vezes, para poder a cada audição, prestar atenção em um detalhe específico. A passagem quase no limiar do Hard-Rock, é ótima no trecho final, com um solo de guitarra para arrepiar.
“Kopernick” vem a seguir, e mais uma vez o trabalho das cordas é muito bonito. Tem um certo quê de música flamenca, com batidas de violão a buscar tal acento rítmico característico e mais uma vez com um belo solo de guitarra para realçar-se. Trata-se da referência à Copérnico, e a explicação que vem das estrelas a confrontar os modelos dogmáticos impostos pela Igreja.

“O Julgamento e Morte de Giordano Bruno” vai direto no âmago do problema. Creio ser desnecessário maiores explicações sobre a figura histórica descrita no título da música e o que representou como símbolo de resistência à opressão, em sua época. Em termos musicais, esse tema oferece-nos um riff deveras interessante, com a banda a manter-se nele como base primordial e deixar assim a flauta a flutuar, literalmente. Apresenta peso e leveza em perfeita unidade, eu diria. Solo final com contundência na guitarra a buscar modulação de tom e novo passeio da flauta ao final, para encerrar, e que soa, magnífico.
“A Rua contra os Reis” denota a tomada de consciência das massas, ao ir às ruas e protestar contra a opressão, com a finalidade em exigir mudanças. É muito bonita a melodia proposta pelo slide guitar e a base segue a quebrar ritmicamente, muito bem.
O último tema, “Dharma em Chamas”, busca exprimir o sentimento individual da experiência rumo à unidade final, o romper com a dualidade. Adão & Eva não devem obedecer, tampouco ser punidos, e assim fundem-se em um único ser, absoluto e transcendente. E sob tal conceito metafísico, o tema musical apresenta-se com uma deliciosa explosão sonora, a trazer fortes doses de influência latinoamericana, com percussão muito forte, permeada por um forte molho caribenho. O tema é muito vibrante a lembrar bandas freaks com tal proposta dentro do Rock norteamericano dos anos sessenta, onde a citação ao Santana é a mais óbvia, pela sua maior projeção nesse campo. Entretanto, advém uma parte mais amena, com a flauta a comandar a boa melodia. E uma terceira parte, mais uma vez sob experimentalismo, fecha a música e o álbum, exatamente como ele iniciara-se. Ou seja, a serpente contorce-se a formar o “oito infinito”, a unidade que denota o indivisível. Em síntese, a obra é muito consistente pela parte musical e a mensagem implícita a acompanhar o pensamento filosófico do schollar, Renato Shimmi, expresso em sua obra homônima ao álbum, é perfeita.
O filósofo, Renato Shimmi, autor do livro "Sob os Olhos de Eva" e que inspirou a obra musical homônima, perpetrada pelo Kaoll 

Ouça na íntegra o álbum, “Sob os Olhos de Eva” :

Eis o link para escutar no You Tube :
A ilustração da capa é muito expressiva. Com traços simples, o artista plástico, Zé Otávio Zangirolami não precisou de grandes recursos tecnológicos para contribuir com a sua criatividade, ao retratar bem o espírito da obra. Uma serpente com seu corpo a enrolar-se e formar assim a imagem do "oito infinito", diz tudo. A serpente, demonizada pelo dogma oficial, mostra aqui uma outra chave para a humanidade, diametralmente oposta. Detalhes como o símbolo atômico, o número “Pi” e o símbolo do gênero feminino, fazem parte da ilustração, mais discretamente e claro que são referências importantes para reforçar a chave do pensamento de Renato Shimmi. A VJ, Cecília Luchessi, também participa do esforço artístico coletivo, ao responsabilizar-se pelo apoio com vídeos, no aparato virtual do álbum.

Produção geral de Bruno Moscatiello; Yuri Grafunkel e Renato Shimmi
Gravado; mixado e masterizado no estúdio Medusa de São Paulo / SP
Técnico de áudio : Janja Gomes
Capa; encarte; Lay out / arte final : Zé Otávio Zangirolami
Baseado na obra filosófica : “Sob os Olhos de Eva”, de Renato Shimmi
Formação do Kaoll nessa obra :
Bruno Moscatiello : Guitarra e violão
Yuri Garfunkel : Flauta e Viola caipira
Gabriel Catanzaro : Baixo elétrico e acústico
Rodrigo Reatto : Bateria
Janja Gomes : Percussão
Fabio Leandro : Teclados
Gabriel Costa : Baixo e Glissando Guitar

Para conhecer melhor o trabalho do Kaoll, acesse :
Página no Facebook :

site oficial :

canal do youtube

Recomendo com bastante entusiasmo, o trabalho do Kaoll !

6 comentários:

  1. Grande e competente resenha dessa banda exceknte Vida longa ao seu blog Luiz Domingues

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá !

      Como fico contente com sua visita e atenção ao Blog. E no caso em específico desta resenha, mais ainda, por ter podido divulgar o trabalho sério e muito qualificado dessa grande banda que é o Kaoll.

      Grato por tudo, portanto, incluso o elogio !

      E viva, certamente ! Seu incentivo é o meu combustível para manter o Blog sempre a postos a lutar pela difusão de arte & cultura.

      Excluir
  2. Concordo com seu pensamento, existe grandes bandas e músicos que não aparecem na midia, só faz sucesso atualmente quem faz polêmica ou um simples bordão "geralmente de mal gosto" mesmo com toda as midias atuais,triste isso..curti muito o som, grande banda.✌

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, amigo Kim Lima !

      O nosso eterno problema é a difusão cultural estar nas mãos de pessoas que enxergam na anticultura a possibilidade em manter seu lucro astronômico com tal exploração. Por ser uma concessão cedida pelo governo para a difusão de educação; arte & cultura para a massa, a contrapartida não é inteiramente respeitada pelos órgãos permissionários, portanto, essa é a razão maior para artistas como o Kaoll nem chegar perto da divulgação que merece, pela qualidade e seriedade de seu trabalho. Mas, seguimos em frente, somos as formigas que trabalham humildemente, com as parcas ferramentas disponíveis, nosso caso, meu e seu.

      Maravilha saber que curtiu o som da banda. Recomendo mesmo, vá atrás dos trabalhos anteriores e acompanhe doravante os próximos passos do Kaoll.

      Sempre muito feliz pelo seu apoio, agradeço-lhe efusivamente pelo comentário aqui e na rede social Google+.

      Abração, Kim Lima !

      Excluir
  3. Muito bom, Luiz Domingues. Parabéns pelo site

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alô, amigo Gavin !

      Sempre é sensacional ter a sua presença no meu Blog. De fato, o Kaoll merece todo o nosso apoio, pela sua qualidade artística inquestionável e seriedade na proposta estética, sempre norteada pela profundidade nos temas em que baseia as suas obras.

      Grato pelo apoio e elogio. Viva o Vitrola Verde e o Rockbrasileiro.net !

      Excluir