sábado, 28 de janeiro de 2012

Martin Scorsese, um Ítalo-Americano que Gosta de Música - Por Luiz Domingues

Martin Scorsese dispensa maiores apresentações como diretor de cinema consagrado que o é. Influência óbvia para qualquer cinéfilo, tem uma carreira prolífica com diversos filmes no panteão dos clássicos, mais documentários e trabalhos dirigidos para a TV, paralelamente. Contudo, quero enfocar mais especificamente, os trabalhos dele relacionados à música, e o Rock em específico.
O primeiro grande trabalho de Scorsese nesse sentido, foi em 1978, com : "The Last Waltz". Um documentário com requinte de longa metragem. Feito com um apuro muito grande, emociona não só aos fãs da lendária, "The Band", como qualquer Rocker que se preze.
Ao cobrir o show de despedida dessa histórica banda, no mítico teatro Winterland Balroom, em San Francisco / Califórnia, no ano de 1976, Scorsese imprimiu um roteiro sob pura emoção, indo além da energia e comoção geradas no palco pela banda e seu convidados super especiais. Intercalou portanto, diversos depoimentos informais dos membros da The Band, a narrar casos pitorescos da sua carreira e ainda acrescentou duas cenas gravadas à parte, onde The Band toca seu hit, "The Weight", acompanhado da musa folk, Emmylou Harris, e com o reforço de um coral de backing vocals, sensacional, e também uma valsa (The Last Waltz ao fazer jus ao título do documentário), sob uma atmosfera idílica, lindíssima.

No show, além dos clássicos do repertório da banda, vislumbra-se uma plêiade formada por artistas convidados, tais como: Bob Dylan; Muddy Waters; Eric Clapton; Ringo Starr; Van Morrison; Dr. John;, Ronnie Hawkins; Emmylou Harris; Joni Mitchell; Neil Young; Neil Diamond; Paul Butterfield e o então recém "novo guitarrista dos Rolling Stones", o ex-The Faces, Ronnie Wood.

Assisti tal documentário pela primeira vez, no extinto cine Bijou, na Praça Roosevelt, centro de São Paulo, logo que entrou em exibição no ano de 1978. Saudade daquele cinema, um fortíssimo reduto para Hippies; Freaks; Rockes e cinéfilos em geral, onde a programação de filmes e documentários sob cunho contracultural foi marcante.                                        

Outro trabalho muito bom dele, foi a série de documentários que produziu a enfocar o Blues como tema, com um título categórico, para não deixar dúvidas: "The Blues", em 2003. Distribuído em 8 episódios com aproximadamente 90 minutos para cada documentário, distribuiu a direção para vários diretores diferentes e dirigiu o primeiro, intitulado: "Feel I Like Going Home". Nesse episódio, Scorsese percorre um longo caminho ao lado do músico, Corey Harris, indo do Delta do Mississipi até o rio Niger, em Mali, África, para tentar entender de onde viera a mais remota raiz do Blues. Simplesmente espetacular. Nos outros episódios, Scorsese ficou a cargo da produção geral e designou grandes diretores do calibre de : Win Wenders; Richard Pearce; Charles Burnett; Mark Levin; Mike Figgis e Clint Eastwood. No episódio dirigido por Clint Eastwood, as cenas com Ray Charles, um pouco antes desse genial músico falecer, emocionam.
Em 2005, outro projeto ambicioso de Scorsese : "No Direction Home", um espetacular documentário a enfocar o início da carreira de Bob Dylan, seu impacto inicial como artista folk no início dos anos 1960, com muitos depoimentos, imagens e fotos raras etc. Diferente de "Don't Look Back" (documentário de 1967 , realizado pelo diretor D. A. Pennebaker, que enfocou bastidores de um show de Dylan em Londres, no ano de 1965), "No Direction Home" é um adendo à obra de Pennebaker, super cultuada pelos fãs de Bob Dylan e rockers em geral que admiram Pennebaker por seus documentários clássicos do Rock sessenta / setentista.
E finalmente chegamos em "Shine a Light", belíssimo documentário a enfocar dois shows dos Rolling Stones realizados no Teatro Beacon de New York, no ano de 2006. Com fotografia esplêndida, Scorsese caprichou nas tomadas da performance de "suas majestades satânicas" e não carregou em depoimentos, praxe do documentarismo musical, tradicional. Sua avant-première foi no Festival de Berlim, em 2008. 

O próximo projeto de Scorsese em termos de documentário a registrar a música, já está em curso (*). Chamar-se-á : "Living in the Material World : George Harrison". Atualmente em fase de produção, tendo a viúva de Harrison, Olívia Harrison como consultora.  Fãs de Harrison e dos Beatles esperam avidamente por esse documentário que promete ser sensacional, a retratar a vida e obra de nosso querido, Beatle "místico". Como devem saber, "Living in the Material World" é nome de uma linda canção pertencente ao álbum homônimo de George Harrison, na sua carreira solo, e lançado em 1973.

*Nota do editor : Quando este texto foi publicado inicialmente, o documentário sobre George Harrison, ainda não havia sido lançado.
Matéria publicada inicialmente no Blog do Juma, em 2011. Posteriormente foi relançada na Revista Cinema Paradiso, n°289, também em 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário