quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Gore Vidal, Polêmico até o Fim - Por Luiz Domingues


Gore Vidal partiu no último dia 31 de julho de 2012, deixando um legado e tanto no campo da literatura.

Seus romances, ensaios, peças de teatro e roteiros para o cinema, tiveram significativa importância para a cultura norte-americana, sem dúvida, mas foi como ativista político de língua muito afiada que ele incomodou para valer.

Para início de conversa, desconfiava da democracia e sobretudo do sistema eleitoral que teoricamente a sustenta e justifica. Uma vez disse : " Parece que um país democrático é um lugar onde são realizadas muitas eleições, a um custo alto, sem discutir questões substantivas e com candidatos intercambiáveis".

E indo além : " De quatro em quatro anos, a metade ingênua da população que vota é incentivada a acreditar que, se pudermos eleger alguém simpático, tudo ficará bem. Mas não ficará" (alguma semelhança com o nosso Brasil-sil-sil ?).

Candidatou-se contudo, duas vezes, em 1960 concorrendo como Deputado Federal pelo Estado de Nova York e em1982, ao Senado pela Califórnia. Perdeu em ambas, mas ainda assim, sendo o candidato democrata mais votado.

Sobre George W. Bush, a quem naturalmente detestava, fez duras críticas à época dos ataques de 11 de setembro. Um artigo seu no jornal britânico, "The Independent", gerou enorme polêmica, pois Vidal afirmou com todas as letras que Bush sabia dos ataques antecipadamente e traçando assim um paralelo com Roosevelt, que supostamente também sabia de antemão que os japoneses atacariam Pearl Harbour em 1941. E claro, que ambos tiveram vantagem política em cima da vitimização e comoção pública em torno dessas ocorrências.
Alfinetando como sempre, disse uma vez que: "A América fora inventada por homens inteligentes que nunca mais foram vistos depois de Kennedy..."

Tinha seus desafetos também no mundo literário. Brigava constantemente com Truman Capote, que supostamente provocou-o primeiro ao declarar que Vidal tinha sido expulso da Casa Branca por estar embriagado e ter insultado a mãe de Jackie Kennedy. Retrucando, Vidal disse : " Capote elevou a mentira à condição de arte, uma arte menor..."

Suas brigas acabaram no tribunal onde chegaram a se agredir e após muita discussão de advogados, fecharam acordo de não agressão. Contudo, quando Capote faleceu, Vidal ironizou, dizendo : "Uma boa iniciativa profissional..."

Com Norman Mailer, foi ainda pior, pois trocaram socos numa festa. A reação de Vidal foi dizer que "faltavam palavras a Mailer..."

É histórica também a cabeçada que Mailer desferiu em Vidal nos bastidores de um programa de TV onde se encontraram. Será que foi daí que Zinedine Zidane tirou a ideia ?


E o motivo da cabeçada teria sido o fato de Vidal ter comparado Mailer a Charles Manson !!


Sobre Jack Kerouac, foi cáustico ao afirmar : "Isso não é escrever, é datilografar..."

Convidado a contribuir na roteirização do filme épico "Ben Hur", teria declarado que insinuou nas entrelinhas que os personagens Ben Hur e Messala tinham tido uma relação homossexual no passado, o que justificava a animosidade entre os personagens, culminando na famosa cena de luta em bigas. O ator Charlton Heston, que interpretou Ben Hur, negou veementemente que tenha construído seu personagem baseado nessa premissa.

Suas brigas com jornalistas também entraram para a história. Com William F. Bucley, o embate pegou fogo quando este o chamou de "veado" ao vivo na TV, com Vidal retrucando que Bucley era um "criptonazista". Com o bate-boca esquentando, chamaram os comerciais...
O crítico Harold Bloom certa vez declarou : "A imaginação de Vidal sobre a política americana é tão poderosa que produz reverência..."
Viveu mais calmo na Itália, por muitos anos, onde foi amigo pessoal do filósofo Ítalo Calvino e Federico Fellini (Vidal fez uma ponta como figurante no filme "Roma"), e gerou polêmica só quando mandou retirar seu nome como roteirista dos créditos do filme "Calígula", quando percebeu que o polêmico diretor Tinto Brass, com a concordância do ator britânico Malcolm McDowell, tencionava inserir cenas de sexo explícito na edição final.
E assim foi embora Gore Vidal, reconhecidamente um bom escritor, mas que notabilizou-se muito mais por suas provocações incisivas.
Matéria publicada inicialmente no Blog Planet Polêmica e posteriormente republicada no Blog  Pedro da Veiga, ambas em 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário