sábado, 20 de outubro de 2012

The Wicker Man - Por Luiz Domingues


Com raízes na remota antiguidade, os ritos agrários de fertilidade foram sufocados sumariamente com o crescimento do cristianismo medieval, outorgando-lhe aura demoníaca, principalmente.

Proscritos e perseguidos, os adeptos dessas antiquíssimas seitas baseadas em Deuses e Deusas da natureza, ou morreram nas fogueiras da Inquisição ou preservaram-se no anonimato absoluto.
Entre os anos 1950 e 1970, a produtora britânica de filmes de terror e Sci-Fi, Hammer, entrou para a história do cinema com suas produções, que conquistou fãs desses dois gêneros, no mundo todo.
Entre suas estrelas mais luminosas, Christopher Lee e Peter Cushing, contribuíram decisivamente nesse processo de popularização dessas produções da Hammer, principalmente em suas respectivas caracterizações como Conde Drácula e o seu inimigo, o cientista Van Helsing.

Em 1973, a Hammer lançou uma curiosa história onde supostamente o enfoque seria o habitual terror de suas produções, contudo, fugia de seu padrão.



Foi "The Wicker Man" (O Homem de Palha", em português), um filme dirigido por Robin Hardy, e cujo mote era o paganismo.

Estrelado por Christopher Lee, apostou no mistério, quase com elementos de novela policial, mesclados ao folclore britânico pré-cristão, com direito ao exotismo dos ritos pagãos e bastante erotismo.

A história começa com a chegada de um policial à uma pequena ilha na Escócia (o sargento Howie, interpretado por Edward Woodward).

Sua missão é investigar o desaparecimento de uma garota, mediante uma queixa formalizada por envio de uma carta de um habitante da ilha.


Chegando, começa seu trabalho de investigação e vai se chocando com o que vê.

Isso porque no pequeno povoado, as pessoas demonstram abertamente não ter nenhuma ligação com o cristianismo tradicional e ele, um fervoroso religioso, fica boquiaberto com o que observa.
Para início de conversa, na escola fundamental, as crianças aprendem ritos pré-cristãos de semeadura e colheita agrária, baseados na fertilidade sexual.
No pátio da escola, um totem pagão em forma de falo é venerado e as crianças estimuladas a adorá-lo como agente semeador.

Canções pagãs falando de sexo, orgias e que tais, são cantaroladas sem nenhum constrangimento e o pudico policial vai se irritando.

Faz perguntas aos moradores, aos comerciantes, mas ninguém lhe dá nenhuma informação relevante sobre a garota desaparecida, aumentando o clima de mistério.
Na estalagem onde se hospedou, recebe uma cantada inacreditável da filha do proprietário (Willow, interpretada por Britt Ekland), que o convida ao embate amoroso, batendo-lhe à porta, inteiramente nua.

A atriz Britt Ekland era uma das mais belas do cinema europeu de sua época, ex-esposa de Peters Sellers e pouco tempo depois do lançamento desse filme, casaria-se com o vocalista Rod Stewart.

Cabe aqui observar que a fleuma britânica é mesmo muito diferente da latina e uma cena assim soa inverossímel para nós, pois ninguém acreditaria que o sujeito resistiria à essa tentação. Enfim...
O sargento Howie conhece finalmente o homem mais poderoso da ilha, Lord Summerisle, cuja família deu nome à localidade.

Interpretado pela estrela da Hammer, Christopher Lee, Summerisle é um homem culto e não disfarça seus hábitos exóticos, enaltecendo a cultura local etc e tal.
O sargento descobre então que nessa crença pagã, seus seguidores fazem o sacrifício humano de uma virgem e que a colheita ruim deste ano, é atribuída ao fato de não ter havido sacrifício anteriormente.
Claro, os habitantes e Lord Summerisle afirmam que o sacrifício é simbólico, descartando o sacrifício humano de fato, mas o policial Howie está cada vez mais convencido que são fanáticos de uma seita sanguinária e que promovem tais ritos.

Então, onde foi parar a garota ? Se não houve sacrifício, e a colheita foi ruim por isso, ou a garota fugiu ou não era qualificada como virgem, e por isso sumiram com seu corpo.

Todas essas informações desencontradas o deixam mais confuso e o atordoam por seus sentimentos pessoais de repúdio ao paganismo anti-cristão dessas pessoas.

Ele presencia outras manifestações que o deixam estupefato, como uma orgia com garotas muito jovens num bosque, e o deboche das pessoas em relação ao cristianismo.

Então, Lord Summerisle convoca os habitantes a participar da festa anual da fertilidade.

O sargento Howie se infiltra entre os locais, usando uma fantasia e sai desfilando pelas ruas, em meio às cantorias folclóricas.

Num dado instante, é surpreendido facilmente, pois não conhecendo as tradições folclóricas da festa, deixa de fazer sua parte no ritual, e é capturado.
A grande surpresa chega quando a garota supostamente desaparecida surge e demonstra com escárnio, que toda aquela situação fora uma armadilha para Howie.
Na condição de virgem, devido à sua religiosidade contumaz, o sargento Howie é a presa perfeita que necessitavam.

Sendo conduzido à uma enorme estátua construída com palha, é aprisionado dentro dela, numa espécie de jaula.

Ele será o sacrifício humano que aquela comunidade ansiava...

Um diálogo tétrico é travado entre Howie e Lord Summerisle e diante da inevitável imolação, Howie reza e entoa cânticos cristãos de resignação diante do sacrifício.

A estátua é incinerada enquanto os membros da comunidade cantam alegremente a sua vitória em ver a missão cumprida, satisfazendo a sua Deusa da fertilidade, e com a certeza de que terão boa colheita no ano posterior...

O filme teve uma versão moderna de 2006, numa produção norte-americana e como sempre, o remake tem mais recursos tecnológicos, mas o resultado é decepcionante.

Voltando ao original de 1973, "The Wicker Man" traz essa discussão muito interessante sobre o paganismo, numa época onde esse assunto ainda era tabu.

Traz o elemento folclórico muito forte, com a parte musical muito agradável no tocante ao folk britânico, excelente como sempre, e se imprimiu o elemento terror, certamente o fez com um grau de diferenciação muito grande em relação ao padrão tradicional da Hammer.

Infelizmente foi realizado nos momentos agonizantes da histórica produtora britânica, que fechou as portas em 1976, para voltar posteriormente dedicando-se à produções na TV e lançamentos no mercado de VHS e DVD.
Comenta-se que o próprio Christopher Lee considera esse filme, um dos melhores de sua carreira e tanto foi assim, que aceitou trabalhar com cachet reduzido, vendo que a verba era pequena, pois entusiasmara-se com o script.
Um belo filme, sem dúvida, e eu concordo com a opinião do velho Lee.

8 comentários:

  1. Fiquei curioso para ver...assisti o remake na tv com o Nicolas cage, confesso que não gostei muito...o original de ve ser ótimo com certeza,vou pesquisar...gostei muito do texto e fotos,abraço!

    ResponderExcluir
  2. Muito legal, Kim !

    Recomendo que assista, pois não tem as condições técnicas do remake com Nicolas Cage, mas eu acho muito melhor em outros aspectos. Só por ser britânico, por exemplo, leva vantagem, porque ninguém entende melhor o folclore de uma nação, do que o seu próprio povo.

    Obrigado pelo prestígio em ler e comentar, fora o elogio, que só incentiva !

    Abraço !!

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Muito obrigado pelo baita elogio, Tata !

      Quanto ao filme, recomendo-o, pois vale a pena !

      Valeu !

      Excluir
    2. Saudações Luiz!
      Tudo bom?

      Meu amigo, adorei sua resenha e análise do filme! Como de costume, seu texto é claro e amplamente ilustrado - além de falar do que é de interesse de quem gosta do filme.

      Um adendo, você citou que o protagonista rejeita a personagen da atriz Britt Ekland. Eu só assisti ao filme uma vez e há muito tempo, então corrija-me caso esteja equivocado. Ao final, enquanto queima no boneco de palha, o vilão não conta ao herói que eles necessitavam de um virgem para o sacrifício??? Perdeu a chance de ser salvo.

      Pelas fotos, eu ví que o filme foi lançado em Dvd no nosso país, então devo adquirí-lo em breve, pois além de tudo, gosto muito das produções da Hammer, principalmente as estreladas pelo Sr. Lee.

      Abração ao som de Nazareth!
      *

      Excluir
    3. Grande Will !

      Como fiquei contente em saber que curtiu essa matéria sobre The Wicker Man, um dos filmes mais bacanas da histórica produtora britânica, Hammer.

      Quanto à sua questão feita sobre o filme, digo-lhe que como tudo tinha caráter de armadilha para envolver o sargento Howie, logicamente a tentativa de sedução a que ele se submeteu, era também um teste. Como não sucumbiu à tentação de possuir a bela filha do estalajadeiro, tornou-se portanto apto para ser o sacrifício que a comunidade ansiava.

      Eu tenho minha cópia extraída da TV, mas se você comprar o DVD oficial, certamente terá excelentes extras, fazendo valer a compra.

      E sim, também sou muito fã da produtora Hammer e do grande ator, Christopher Lee.

      E viva o Razamanaz !!

      Excluir
  4. Agora que voltei a internet que vi que você agora tem um blog próprio, parabéns, esse filme parece ser muito bom e não consigo ouvir essa palavra sem lembrar da musica do Iron Maiden, alias eles tem muitas musicas baseadas em filmes ou em livros/contos, como fantasma da ópera, Alexandre o Grande entre outros. Christopher Lee, é um grande ator e tirando drácula me lembro do vilão Scaramanga do filme 007 Contra o Homem da Pistola de ouro (Golden Gun)parabéns pelo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou muito contente por você ter examinado o meu Blog. Muito obrigado pela visita e pelo elogio.

      De fato, aqui neste Blog, eu armazeno toda a minha produção, anteriormente publicada em diversos Blogs onde sou colaborador. E lanço material inédito , exclusivo.

      Quando pesquisava fotos na Internet para ilustrar a matéria sobre esse filme, dei-me conta de que o Iron Maiden tinha uma música com esse título e que sim, era baseada em seu roteiro.

      Como não acompanho o Iron Maiden e nem gosto de Heavy-Metal, eu desconhecia essa particularidade.

      Eu curto The Wicker Man, desde os anos setenta, quando o assisti pela primeira vez na TV.

      A atuação de Christopher Lee no filme é sensacional. Ele mesmo o considera um de seus melhores trabalhos na carreira, conforme contei na matéria.

      Você lembrou-se bem, ele realmente fez o vilão no filme do 007, Golden Gun. É um tremendo ator.

      Obrigado por ler e comentar !!

      Excluir