terça-feira, 29 de maio de 2012

A Perda da Identidade - Por Luiz Domingues



Um dos primeiros atos de hostilidade dentro da polarização entre as frentes ideológicas de direita e esquerda, foi sem dúvida a Guerra Civil Espanhola.

Milhares de idealistas, oriundos de 54 países diferentes, se alinharam nas Brigadas Internacionais para enfrentar as forças do general Francisco Franco, que por sua vez tinha apoio de Adolph Hitler, inclusive com colaboração militar.

Batalhas duríssimas foram travadas nos fronts de Madrid; Jarama; Guadalajara; Brunete; Teruel; Ebro; Albacete; Valencia etc.
Com a força militar nazista apoiando, ficou mesmo difícil para os brigadistas, e Franco triunfou, deixando a Espanha por décadas estagnada numa ditadura que lhe custou permanecer na retaguarda, relegada à um patamar de inferioridade em relação à outras nações europeias, assim como Portugal, com o poder de Salazar.
E o que aconteceu com esses brigadistas que lutaram movidos por seus ideais socialistas ?

Fora os que tombaram nos campos de batalha, os que foram capturados, foram levados para campos de concentração na própria Espanha em princípio e também na França.

Com o início da II Guerra Mundial, muitos foram deslocados para a Alemanha e redistribuídos para os campos de concentração nazistas, onde evidentemente foram exterminados.

Mas, uma situação inusitada se criou, pois muitos deles que escaparam, perderam sua condição de cidadãos e foram condenados a viverem na clandestinidade, assumindo falsas identidades, pois tornaram-se apátridas e personas não gratas em diversos países do mundo.

Obviamente não era possível viver na Espanha, Alemanha, Itália, Áustria e na Checoslováquia, dominada por nazifascistas.

Mas por incrível que pareça, não encontraram apoio em países alinhados com o bloco soviético.

Eram recusados na Romênia; Bulgária; Iugoslávia; Hungria, e na própria União Soviética, onde passaram a ser considerados como pessoas "não confiáveis".

O mesmo conceito lhes era imputado nos Estados Unidos, França, Inglaterra e Irlanda.
Restava-lhes alternativas de segundo e terceiro escalão, mas mesmo assim, ficou difícil. O Brasil de Vargas flertava com Hitler e Mussolini e só alinhou-se aos aliados na parte final da Guerra, praticamente. A Argentina também tinha simpatia pelo Eixo.

Muitos acabaram se aliando enfim à resistência francesa e sua experiência foi fundamental para minar os nazistas.

Mas muitos perderam a identidade, tornando-se apátridas, rejeitados e considerados "mercenários", acusação esta, ultrajante, por sinal.

A coragem desses idealistas em se alistarem numa causa que só lhes dizia respeito sob o ponto de vista teórico, é admirável. Mas fica também uma dúvida pairando no ar : Valeu mesmo a pena ter se engajado numa luta desse porte, numa terra estrangeira e ter como resultado prático toda essa perda pessoal ?

Venceu a direita, perdeu a esquerda...alguns anos depois Franco morreu sem deixar saudade a não ser para seus correligionários, e a Espanha voltou a crescer e tirar o atraso cultural. Do outro lado, todo esse sacrifício para manter e impor os ideais de Karl Marx aos vizinhos, esvaneceu-se, culminando num muro derrubado, escancarando o fracasso dessa "igualdade" forjada à forceps.

Na falta de um sistema político e sócio-econômico realmente justo e bem organizado, visando o bem estar e com oportunidades para todos, nem o capitalismo, tampouco o comunismo deram respostas aceitáveis à humanidade.

Sendo assim, qual a luta que realmente merece ser travada ?



Matéria publicada inicialmente no Blog Planet Polêmica, em 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário